quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Conversa em Família à Mesa da Cozinha





Três gerações de mulheres sentam-se em volta da mesa da cozinha para conversar. Num círculo, como bruxas em um coven. A avó (minha mãe), suas filhas (eu e minhas irmãs) e netas (minhas sobrinhas). O motivo: a comemoração do aniversário de duas de nós. Nascidas no mesmo dia, ambas em casa, através de parteira, mas com uma diferença de onze anos uma da outra. Librianas por coincidência.
Os homens da casa, como sempre, estão no sofá assistindo TV, discutindo política, futebol e o futuro da humanidade. Piedosas, nós às vezes colocamos uns copos de refrigerantes, sanduíches e salgadinhos e levamos para eles.
A avó idosa às vezes perde o prumo da conversa, e de repente faz perguntas que já foram respondidas, criando situações muito engraçadas. Nós rimos, respondemos novamente, e ela às vezes comenta nossas respostas usando os comentários mesmos que alguém acabou de usar.
A conversa prossegue. Discute-se quem era a preferida do pai, quem estudou nas melhores escolas, quem era a mais rebelde, a mais calma, a mais namoradeira... quem engordou mais...contamos e recontamos nossas estórias, de vez em quando, deixando entrever um traço de ressentimento, logo encoberto por uma sonora gargalhada. As netas ouvem mais do que falam, e tenho certeza de que em alguns anos, elas hão de se lembrar destas tardes à volta da mesa da cozinha.



Fico sabendo que meu parto foi o mais complicado. Descubro que meu padrinho de batismo foi escolhido como meu padrinho porque foi ele quem correu para chamar Dona Maria Carioca, a parteira, quando minha mãe começou a sentir as dores. E que depois do demorado parto, tiveram que chamar um médico, pois as dores não paravam.
Lembramos do bebê que um dia fomos. As mais velhas conhecem algumas das estórias, e reforçam as estórias da avó com seus comentários.
A avó diz: "Só falta o irmão..." mas comentamos que ele nunca esteve presente em reuniões de família.
Conversas se cruzam, um "X" entre o presente e o passado. Assuntos variados surgem ao mesmo tempo, e as netas falam de seus mestrados, doutorados e carreiras, enquanto as irmãs e a mãe discutem dietas, menopausas, receitas, estórias da infância e pessoas que se foram.
Mas logo um assunto em comum volta a ser o foco. "O que você pôs nessa torta salgada?" 
De vez em quando, um dos homens vem até a cozinha para ver o que está acontecendo. Alguém diz: "Não está na hora de partir o bolo?" E uma de nós concorda: "É melhor... tenho que acordar cedo amanhã..." e todas suspiramos, lembrando da segunda feira que se aproxima.
Velas, parabéns, mais refrigerantes, eu corto as fatias de bolo, minha irmã as distribui. Repetimos. Sobre a mesa, na toalha branquinha da minha irmã, farelos de bolo de chocolate e nozes.
Em seguida, as despedidas e promessas de "Até uma próxima vez!"




publicado no Recanto das Letras em 29/09/2009

5 comentários:

  1. SUAS PÁGINAS SÃO SEMPRE DE MUITO BOM GOSTO, COMBINAM PERFEITAMENTE COM O BOM GOSTO DOS SEUS TEXTOS, MAS TEM ALMA DE MAIS, É MUITO FANTASMA PRO MEU GOSTO.//lUIZ VIEIRA COSTA NETO

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Senhor Yamanu, o senhor não existe... rsrsrsrrs... xi... se não existe, também é fantasma?!

      Excluir
  2. Ana como assim?? Saiba que eu também me sentei à mesa e ali fiquei a ouvir e curtir as suas histórias de família, que sempre terá algo de semelhante com outras famílias. Por exemplo: a minha! hehehe...

    Mulheres a tagarelar na cozinha
    Homens com goles de cerveja e gritos de goooool!

    Delícia de blogada, amei!
    bacios

    ResponderExcluir
  3. Que bonita descrição de bem querer , Ana .
    Adorei .
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Querida amiga

    As palavras
    que nos fazem
    ver as cores
    e sentir o perfume de vida,
    são para mim especiais.

    Amar é inspirar
    o mundo.

    ResponderExcluir

Sinta-se em casa para deixar um comentário, por favor. Espero que tenha gostado. Obrigada pela visita!