segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Das Gavetas


Faturas de cartões de crédito antigas, pedaços de papel de presente, cabos USB de celulares e computadores que não temos mais, caixas de fósforos, botões sobressalentes cujas camisas já se foram há muito tempo, novelos de linhas apodrecidas, agulhas tortas e enferrujadas, manuais de instrução de produtos que já sabemos como usar, garantias de produtos cujas garantias já expiraram, notas fiscais de produtos antigos, bijuterias quebradas, enfim, trecos que não servem para nada. Enchi dois sacos de duzentos litros destas e de outras coisas.

Depois, três sacos de cem litros de roupas e sapatos para doação. É incrível constatar o quanto eu, que detesto guardar bagulhos, guardo bagulhos!

Mas mantive algumas coisas: cartas e cartões de meu marido. Alguns, dos tempos que namorávamos, outros mais recentes; cartões de minha mãe.

Aliás, a história dos cartões de minha mãe são engraçadas; ela não costumava escrever nos cartões que enviava, pois dizia que assim, poderíamos reaproveitá-los... quando escrevia, era apenas "Para Ana / de sua mãe Ruth" como se eu tivesse outra mãe... uma vez, ela encontrou com meu marido nas Lojas Americanas, onde comprava para ele um cartão de aniversário. Ao vê-lo, ela entregou-lhe o cartão, dizendo: 'É pra você mesmo! E assim, sem estar escrito, você pode aproveitá-lo para outra pessoa!" Dizendo isso, ela se despediu.


Só esqueceu-se de que não tinha pago pelo cartão, o que meu marido teve que fazer ao sair da loja... sogra é sogra!

Uma vez, em um momento muito difícil de minha vida, ela me escreveu uma carta bem longa... nela, dizia o que ela achava que eu deveria fazer para ser mais feliz; conselhos, observações (algumas me ajudaram bastante) e a certeza de que ela me amava. Acho que foi a única vez que ela disse isso. Tenho a carta até hoje. Recentemente, falei com ela sobre a carta, mas ela não conseguiu lembrar-se de tê-la escrito: "Você tem certeza de que fui eu mesma que escrevi esta carta?" Bem, ela tinha 85 anos...

Acabei desviando-me do tema desta crônica, que é sobre gavetas esvaziadas. Esvaziei muitas gavetas e armários. Coloquei roupas de cama, mesa e banho para doação. Ainda falta examinar livros, CDs e vinis. E tem a cozinha. Acho que tenho coisas demais por lá.

Depois, a principal gaveta: a do pensamento.




6 comentários:

  1. muito bom reler........ acho que vc andou olhando minhas gavetas....... rsss. e sua mãe era uma figura . faz muita falta essas coisas das pessoas e as pessoas das coisas....... a gente tem q se acostumar com as ausencias......... ótimo ótimo, sempre ótimo ! bjos.......olguinha

    ResponderExcluir
  2. Acho que temos todos gavetas para serem esvaziadas , não é Ana ?
    Gostei demais da crônica e de como sua mãe é fofa .
    Beijos pra você e pra ela .

    ResponderExcluir
  3. Ana,

    Embora eu tambem não goste de guardar treco, sempre encontro entulhos! E quando posso, mando ver, tudo vai. Gosto de reciclar espaço. Lembranças, só as que realmente valem a pena.

    Eu colecionava cartões postais, com a minha mudança para uma casa muito menor, precisei me desapegar do passado. As vezes lembro, fico triste, mas faz parte da vida.

    Gostei muito de sua cronica, fui pensando na minha propria vida.

    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Muitas gavetas fazem parte de nossas vidas....
    Beijo Lisette.

    ResponderExcluir
  5. acho que as minhas também precisam de uma limpeza geral.

    rsrsrsr

    :)

    ResponderExcluir
  6. Que legal a história da sua mãe!Me lembrei que minha mãe tb me escreveu apenas uma carta em toda sua vida!...rss...mães são maravilhosas!Gostei muito do seu texto,das suas gavetas esvaziadas!bjs,

    ResponderExcluir

Sinta-se em casa para deixar um comentário, por favor. Espero que tenha gostado. Obrigada pela visita!