domingo, 15 de setembro de 2013

A Energia do Sábado





Desde pequena, sempre adorei os sábados... lembro-me da época em que eu tinha aulas de inglês e educação física nas manhãs de sábado, e acordava cedinho, a casa cheirando à madrugada, e dirigia-me à escola enquanto todos ainda dormiam. As aulas sempre terminavam com a gente jogando queimado no pátio da escola, e ao meio-dia, eu caminhava com as amigas até a avenida, onde tomava o ônibus para voltar para casa.

Sábado era dia do meu pai chegar mais cedo do trabalho. Era dia da comida mais caprichada. Era dia de ouvir músicas e brincar na rua. Também era dia - mais tarde, quando me tornei uma adolescente - das festinhas no início da noite, na casa de Dona Celina - mãe de amigos nossos, a única que não se importava com a nossa bagunça.

Na casa de Dona Celina, tudo era possível e permitido. Frequentemente, entrávamos já chamando pelos nomes de nossos amigos (quatro irmãos: dois meninos e duas meninas), e íamos adentrando a casa, encontrando Dona Celina na cozinha, passando roupas, debaixo do velho relógio cuco. Ela nos recebia com alegria, pois gostava de ter jovens em volta.

A casa de Dona Celina era bem pequena, mas era o lugar onde todos gostávamos de ficar.

Uma das lembranças mais queridas que tenho de lá, é a de uma noite de natal; voltávamos da comemoração em casa de minha irmã, recém-casada, e quando saímos do táxi, percebemos a luz e as vozes vindas da casa de D. Celina. Após alguma insistência, eu e minha irmã adolescente tivemos, finalmente, a permissão de nossos pais para irmos lá, "bem rapidinho." E encontramos a festa de natal sem ceia farta e sofisticada, mas com muita música, dança e alegria. 

Na casa de Dona Celina, nós nos arrumávamos para irmos aos bailes - "Sons", como eram chamados naquela época . As meninas disputavam o único espelho do armário do quarto, dividindo e partilhando sombras, rímel, blushes, batons e lápis de sobrancelhas... e de lá, saímos todos juntos nos domingos à tarde, em direção ao Serrano Futebol Clube.

A casa de Dona Celina foi nosso point, nosso ponto de encontro, da infância à adolescência... 

Comecei falando de sábados, e terminei recordando a casa de Dona Celina. Mas é que não existiam sábados sem casa de Dona Celina. E os sábados sempre me trazem lembranças daqueles tempos.



4 comentários:

  1. O sábado é muito bom , porque vem o descanso, o laser com ele...parabéns Ana pelo belo escrito...

    ResponderExcluir
  2. Ana, que lugar gostosa a casa da Dona Celina.
    Belas e doces recordações!
    Sábado e domingo é dia da família.
    Beijinhos
    Amara

    ResponderExcluir
  3. Ana ,

    Todos temos uma Dona Celina para alegrar nossos sábados e , principalmente , nossa vida.
    O brilho que delas emana nos faz um bem enorme .
    Ler seu texto foi uma viagem gostosa ao meu passado .
    Obrigada .
    Beijos e boa semana

    ResponderExcluir
  4. Querida amiga

    Quando a alma tem fome de beleza,
    chegar aqui,
    sentir as palavras e o seu perfume,
    é encontrar o doce alimento da
    alegria...
    Alimento que me renova as energias,
    quando muito já silenciou pelos caminhos...

    A amizade é o alimento da esperança.

    ResponderExcluir

Sinta-se em casa para deixar um comentário, por favor. Espero que tenha gostado. Obrigada pela visita!