domingo, 29 de setembro de 2013

BRILHO


Estive revendo fotos antigas. Acabei encontrando algumas das quais eu já tinha até esquecido... fotos dos tempos em que nos mudamos para esta casa, há nove anos. Nelas, o gramado ainda aparece meio-machucado por causa das obras recém-terminadas, mas já tomando o jeitinho do que ele é hoje. Algumas plantas foram mudadas. Não tínhamos agáveas em volta do cedro, e sim, tapetes (uma espécie de folhagem) de várias cores.. por onde andam as Onze-Horas, aquelas florezinhas cor-de-rosa que só abrem ... às onze horas?

A Latifa aparece bem mais magrinha, jovem, sempre perturbando o Aleph... e ele, ainda jovem, parece estar sorrindo nas fotos. Vejo que ele estava muito feliz. Ele foi um cachorro feliz. Mudar-se para cá foi como renascer, para ele! Um jardim grande para passear, uma nova amiga, um canil maior...

Até mesmo a atmosfera era diferente. Naqueles dias, não havia tristezas em nossas vidas. Tudo estava novo, recém-terminado e recém-começado. Não havia mortes.

Eu às vezes ando pelo meu jardim, e apesar de sentir muito prazer ao fazer isso, ainda tenho a impressão de que faltam coisas. A atmosfera hoje é como em um final de festa, uma despedida. A casa foi arrumada, mas o clima de despedida ainda permanece.

Debaixo do cedro, o cantinho onde o Alpeh costumava sentar-se. Bem ao lado, um outro canto, ao sol, onde meu sobrinho sentava-se quando vinha aqui em casa. A cadeira na varanda, de onde eu olhava para eles.

Espero que eu consiga, finalmente, lustrar a vida até que o antigo brilho me seja devolvido, ou que um outro brilho nos surja. Tem horas que eu penso em mudar-me daqui, mas será que adiantaria?

Afinal, são apenas momentos. Hoje eu estou assim, mas amanhã, estarei diferente.


Crônica escrita em 2011, alguns dias após a morte de meu cão Aleph - ele morreu aos quatorze anos de idade, devido à complicações comuns à idade.




2 comentários:

  1. Certamente amanhã será outro dia, Ana. Eles não se repetem nunca...
    Meu abraço.
    Jorge

    ResponderExcluir
  2. Linda crônica! A vida é movimento.Perder um amigo tão amoroso e companheiro faz a vida perder momentaneamente o encanto, mas a vida continua e onde ele foi feliz é o melhor lugar para permanecer.
    Felicidades, sempre.Bjs Eloah

    ResponderExcluir

Sinta-se em casa para deixar um comentário, por favor. Espero que tenha gostado. Obrigada pela visita!