terça-feira, 26 de novembro de 2013

COISAS DE QUINTAL


Quintal ou jardim: qual a diferença? Segundo o dicionário:
Quintal – pequena quinta; pequeno terreno com horta, junto a uma casa; pomar.
Jardim: local onde se cultivam flores; terreno onde se cultivam plantas para recreio ou estudo.

Bem, para mim, um quintal é um pequeno jardim. Tem aquele cantinho com os vasos de plantas. Tem uma vassoura velha encostada em um canto de parede. Tem um pedacinho de grama, ou um chão cimentado bem varridinho. Com certeza, formigas, joaninhas, passarinhos e o som do rádio do vizinho.
Pode ser que haja um varal, onde a roupa limpa da casa balance contente ao sol, ao sabor do vento.
Quando eu era pequena, no nosso quintal tinha uma pequena churrasqueira improvisada, feita por meu pai com tijolos e chapas de ferro , em volta da qual a família se reunia aos domingos. Ah, e tinha cães e gatos! Que graça teria, se não fossem eles?

No chão de terra batida, as linhas da amarelinha riscada por mim e por minha irmã, e também as marcações para o jogo de bolinhas de gude. Tinha canteiros com dálias, margaridas e bocas-de-leão debaixo das janelas da frente da casa. Em uma pequenina gruta, na lateral do terreno, colocamos uma miniatura de Nossa Senhora. Gostávamos de por flores para ela, e acendíamos velas.
Ficava no quintal a ‘oficina’ de meu pai, um barracão de zinco onde ele fazia suas grades e portões de ferro. Eu adorava ficar lá quando chovia, pois o barulho da chuva batendo nas folhas de zinco era tudo de bom! Mas sob o calor do verão, era insuportável... quando meu pai não estava usando a oficina, eu fazia dela a minha casa de bonecas.


No nosso quintal tinha uma coisa que eu amava, e até hoje, quando eu vejo um, se possível, penduro-me nele: um balanço, feito por meu pai.
Era no quintal que nos reuníamos para comer frutas – mangas, laranjas, melancias, jabuticabas, tangerinas, ameixas e uvas – e fazíamos a maior sujeira: cascas e caroços por todo lado! E nós, lambuzados.
Eu gostava de chegar da escola, mudar de roupa e ir sentar no chão do quintal, calçando meus chinelos de borracha. Jogava vôlei com a parede, pulava corda, andava em meu velocípede, e quando já estava mocinha, colocava o biquine e estendia uma toalha no chão para tomar sol e ficar ‘morena.’
É tão bom ter um quintal! Para mim, ele é o lugar para onde estendo minhas raízes, ou elas ficariam emaranhadas e atrofiadas no vaso-casa.


2 comentários:

  1. Ahh, quanta beleza escondida em cada canto desses quintais... Quintais interiores, onde o jardim nasce aquilo que plantamos.

    Linda de viver essa blogada e eu viajei contigo amiga lá pra minha infância, sabia? rs
    Obrigada por este momento

    bj

    ResponderExcluir
  2. Nao tinha um quintal assim... tinha a fazenda que trazia momentos bons... mas o melhor era a cumplicidade com a familia, o tempo que passavamos juntos ao ar livre... pequenos detalhes que nao sao esquecidos...

    Beijos...

    ResponderExcluir

Sinta-se em casa para deixar um comentário, por favor. Espero que tenha gostado. Obrigada pela visita!