sábado, 3 de janeiro de 2015

Cuidar da Casa





Lendo Vickor Frankl, descubro que precisamos encontrar um propósito para viver, e nós o encontramos quando paramos de nos perguntar o que queremos da vida e passamos a indagar o que a vida quer de nós. Segundo o autor, que sobreviveu aos horrores do holocausto cultivando determinação e propósito, há três maneiras básicas de se aprender sobre o sentido da vida: através do amor, do trabalho e do sofrimento. Não o sofrimento masoquista, não a busca pelo sofrimento, mas tentando aprender o que ele quer dizer quando chega. 

Cuidar de uma casa é uma manifestação de amor, pois quando nos dedicamos a este trabalho, estamos tornando um ambiente mais aconchegante, limpo, bonito e confortável não apenas para nós mesmos, mas para alguém que amamos e vive nela. E é exatamente nisso que eu penso quando me dedico às tarefas caseiras de varrer, lavar, cozinhar, enfim, tarefas estas que hoje em dia são consideradas "menores" por muitas pessoas, principalmente, mulheres. A minha realização, o meu propósito, entre outras coisas na vida, está em tomar conta da casa física, e por consequência, da casa espiritual.

E o conceito que abrange a palavra "casa' é muito amplo:a casa onde eu moro, a casa onde cada pessoa mora, o mundo, o corpo, o universo. Tudo isso são casas! Até mesmo as emoções são casas onde nossos espíritos vivem temporariamente.  Mudamos de casas várias vezes durante um único dia. E nossa missão é sentir e entender a casa na qual estamos, e não apenas ignorá-la, tentando morar eternamente na casa da alegria e do esquecimento, como se as casas da tristeza, da dor, da dúvida e do medo não existissem! A Casa da Felicidade Eterna é a única que só existe em um único lugar: o Reino da imaginação. Saibamos aproveitar a casa da Felicidade quando estivermos nela, sabendo que a estadia não durará para sempre, pois há outras casas que devem ser visitadas e outras experiências que devem ser vividas e aprendidas.

Pois o sentido da vida está em aprender a sentir e entender as emoções. E ainda temos um longo caminho pela frente. 




4 comentários:

  1. Prezada Ana Bailune embora eu esteja de "férias" não posso furtar-me de visitar e ler os blog que admiro e que constam na minha lista de favoritos. O seu está entre eles. Sinto que toda vez que venho ao seu cantinho fico sem palavras para expressar minhas impressões sobre seus escritos. Eles são muito expressivos, abrem cirurgicamente nossa alma, nossa mente tão complexa e nos deixa pasmos como podes nos encantar com tuas linhas. Meus sinceros parabéns e que dera que eu tivesse tão e tal sensibilidade emotiva para expressar as emoções do ser humano como você. Feliz Ano Novo e continue a nos brindar com seus textos e narrativas.
    Robert Thomaz
    http://www.nossoslivrosfree.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Linda crônica e realmente o caminho é longo, mas nem por isso, podemos desistir! bjs, tuuuudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  3. ANA,

    e na realidade sentir a vida em toda o seu esplendor é sinônimo de estar em casa!

    Simples assim.

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir

Sinta-se em casa para deixar um comentário, por favor. Espero que tenha gostado. Obrigada pela visita!