terça-feira, 18 de agosto de 2015

A CASA ÁS VEZES TEM SAUDADES




Alguém já viu uma casa com saudades?

É quando os passos ecoam mais alto pelo chão. As paredes parecem mais frias, e à noite, tudo fica mais silencioso do que o habitual. O som da TV - que às vezes a gente usa para espantar a solidão - apenas a acentua. As fotografias parecem querer falar e contar as histórias que ficaram de alguém que não mais vive naquela casa. Ao mesmo tempo, elas estão mudas, e só falam às lembranças de quem as olha.

No jardim, as flores roxas que caem das árvores tem cheiro de tristeza. A areia no chão não exibe pegadas. As plantas parecem não se importar se vivem ou morrem.

Uma casa com saudades guarda apenas os sonhos mais tristes para suas noites, e eles ficam bordados nas fronhas, impregnados nos lençóis. Passarinho de manhã não canta na árvore próxima à janela: chora.

As nuvens carregadas passam sobre os telhados, mas não chovem. Os ventos sopram através das frestas, portas e janelas, uivando de saudades. 

Uma casa com saudades pode ficar com as paredes mofadas rapidamente. O relógio da parede às vezes para de funcionar. O telefone nunca toca. E pode ser que aquilo que a casa mais teme, venha a acontecer: alguém que não aguenta viver cercado pela saudade tranca suas portas e nunca mais volta a abri-las. 



Um comentário:

  1. É, quando trancamos a porta, é porque já perdemos a chave, não dá mais para abrir...
    Abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir

Sinta-se em casa para deixar um comentário, por favor. Espero que tenha gostado. Obrigada pela visita!