quinta-feira, 27 de agosto de 2015

As Casas Envelhecem...






Às vezes eu vejo filmes que foram feitos em países como a Itália ou a Irlanda, e presto atenção nas casas antigas que existem por lá. Elas são mantidas com sua arquitetura original. Pode ter um quebradinho na parede, ou a tinta da janela descascando. Os móveis são antigos, e o portões, de tão velhos, rangem ao serem abertos.

Penso na casa de meus pais, onde cresci. Já era velhinha quando eu nasci, acredito que ela tenha mais de cento e cinquenta anos, quem sabe... nunca foi muito reformada. As casas também envelhecem, e acho que quando isso acontece, os moradores devem manter sua estrutura original ao reformá-las, sem modificar a fachada ou a disposição dos cômodos. As casas são como nós: trazem sua história escrita nas paredes, e quando a reforma é radical demais, toda ela é apagada para sempre. 






Gosto da ação do tempo sobre as coisas; é o wabi-sabi agindo. Para quem não sabe o que é o wabi-sabi, a Wikipedia explica: 

"Wabi-sabi (侘寂?) representa uma abrangente visão de mundo japonesa, uma visão estética centrada na aceitação da transitoriedade e imperfeição. Esta concepção estética é muitas vezes descrita como a do belo que é "imperfeito, impermanente e incompleto". Uma idealização artística desenvolvida por volta do século XV no Japão, durante o período Muromachi, com bases nos ideais do zen budismo. É um conceito derivado dos ensinamentos budistas das três marcas da existência (三法印, sanbōin?), nomeadamente anicca (impermanência), as outras duas sendo dukkha (sofrimento) e anatta (não-eu).

As características estéticas do wabi-sabi incluem assimetria, aspereza (rugosidade ou irregularidade), a simplicidade, a economia, a austeridade, a modéstia, a intimidade e a valorização da integridade ingenua de objetos e processos naturais.

O wabi-sabi é a apreciação estética do despojamento, utilizada por Sen no Rikyu na cerimónia do chá. Refere-se ao viver uma vida comum com o despojamento, com a insuficiência ou com a imperfeição, e está relacionado às doutrinas de desapego do Zen budismo. Estes conceitos estão representados na produção artística através do rústico, do imperfeito, do monocromático e do aspecto natural. Através de wabi e sabi é possível o alcance do vazio da mente que traz tranquilidade. wabi significa "quietude" e sabi "simplicidade", e expressam-se através da querença que os japoneses possuem por simplicidade e subtileza."

Acho bonitas as marcas do tempo em uma casa. Adoro caminhar por casas antigas, sentí-las, conversar com elas em silêncio e imaginar suas histórias.


"Quando os japoneses consertam objetos, eles destacam os danos enchendo as rachaduras com ouro. Eles creem que quando algo sofre um dano e tem uma história, ele se torna mais belo."



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sinta-se em casa para deixar um comentário, por favor. Espero que tenha gostado. Obrigada pela visita!