quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Onde Tudo Começa


O relógio que está na parede de minha sala de aula





"Quem disse que eu me mudei?
Não importa que a tenham demolido:
A gente continua morando na velha casa em que nasceu."
Mario Quintana

Em minha salinha de aula, existe um relógio de parede no qual está escrito: "Home is where your story begins", ou seja, "O lar é onde sua história começa." Apaixonei-me pelo relógio na mesma hora em que o vi. Há um ninho de pássaros, representando o lar, e acima destes dizeres, o velho cliché (velho, mas verdadeiro): "Home, Sweet Home."

Algumas pessoas não dão importância à casa. Uma conhecida minha me disse certa vez que "casa é coisa de caramujo ou tartaruga." Bem, então acho que preciso descobrir a qual destes grupos eu pertenço! Enquanto alguns veem na casa apenas um lugar para dormir, outros fazem dela um lar, um refúgio onde recuperam as forças, exercitam sua criatividade e andam descalços. Principalmente, um lugar onde guardam as lembranças.

Minha casa é um lar, e sinto-me muito bem dentro dela. Tão bem, que não me sinto nem um pouco presa ou desconfortável por trabalhar em casa e raramente poder sair. E embora a minha história não tenha começado nesta casa, ela continua aqui. Ela me conhece bem. Suas paredes sabem dos meus humores, já me viram rir e chorar muitas vezes, e também guardam as passagens de pessoas que foram importantes em minha vida e que já se foram. Às vezes, quando penso neles, eu me lembro: "Sentaram-se aqui," ou então "Passaram por este corredor" e também "Olharam por esta janela."

Quando eu me sento lá fora e olho para a minha casa lá do jardim, eu sinto vontade de entrar nela. Acho muito bom quando alguém gosta da casa onde mora e sente-se bem dentro dela. Não sou apegada a bens materiais, e sei que um dia, cedo ou tarde, terei que ir embora daqui, pois ela é grande e tem escadas demais para que um casal de idosos viva bem nela. E quando isso acontecer, eu sei que eu vou chorar, mas vou fechar a porta e levar comigo o lar que ela foi para mim. 

Desejarei que seus novos moradores tenham por ela o mesmo carinho que eu tenho, e que preservem todas as árvores do jardim - algumas, plantadas por nós. Guardarei comigo as lembranças dos dias felizes que vivi aqui, e eles servirão como incentivo para reconstruir o meu lar em outro lugar que, com certeza, já está aguardando a minha chegada, lá no futuro...






4 comentários:

  1. Gosto desse aconchego do lar, sou parecida com você neste sentido, amo minha casa e também sei que em dia vou ter de mudar...as escadas, o espaço será enorme demais para um casal de idosos. Bjs e aplausos pelo belo texto.

    ResponderExcluir
  2. Vivi uma vida fugindo Ana, nunca pude gostar de nada, pois logo estava mudando. Esta casa foi construída, pensando na família, filhos e netos, já fugi daqui 3 vezes.
    Só agora, que não tenho mais os filhos é que estou começando a criar raízes, perdendo o medo de morar sozinha e começando a sonhar para melhorar o espaço.
    Justo agora, as pessoas ficam me aconselhando a alugar um imóvel e sair daqui, abandonando a casa.
    E, eu fico pensando, será que estou errada em querer ficar?
    Não é apego material, acho que é da vontade de Deus que eu fique aqui, enquanto a saúde me permitir, pois quando não der mais para ficar, vou para um asilo.
    Você tem histórias e valores de família, que admiro muito Ana, obrigada pelo lindo texto, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  3. Do relógio e suas frases e seu ninho até a tua frase ao olhar para a casa "eu sinto vontade de entrar nela" tudo me emocionou.
    Um texto tão vivo quanto tua casa.
    beijo!

    ResponderExcluir
  4. Gostei muito desse seu texto, emociona, não pelo apego, porque não é apego, é amor, carinho, uma história de vida. Também quero permanecer na minha casa (apartamento). Aqui guardo muitas recordações de vida. Foi aqui que fui amadurecendo e mais: meus pais moravam no ap do lado. Recordação dupla.
    beijo!

    ResponderExcluir

Sinta-se em casa para deixar um comentário, por favor. Espero que tenha gostado. Obrigada pela visita!