quinta-feira, 25 de junho de 2015

O Fogo da Lareira





Eu sempre sonhei em ter uma lareira. Acho que elas são românticas, bonitas, decorativas e úteis. Quando começamos a reformar a casa onde moramos, há doze anos, a lareira e a banheira foram as únicas coisas das quais eu não quis abrir mão; fui categórica: "Pode cortar todas as despesas necessárias, mas eu não abro mão da banheira e da lareira.

Infelizmente, alguns anos depois, o aquecedor da banheira quebrou. Consertamos o antigo, e  depois o trocamos por um novo... que voltou a quebrar e ainda está quebrado. E com a escassez de água, nem nos incomodamos em mandar consertar de novo, e deixei de usar a banheira... 

Quando a casa estava quase pronta, e a lareira, instalada, lembro-me da noite fria de junho em que viemos até a casa em obras para 'estrear' a lareira: a sala ainda não tinha piso, e colocamos alguns pedaços de papelão no chão, acendemos a lareira e nos sentamos para curtir. Foi quando percebi uma fumaça branca se espalhando pelos cômodos. Foi muito engraçado! Meu marido ia do lado de fora para ver se a fumaça estava saindo pela chaminé, mas não; ela estava se espalhando pela casa! Marinheiros de primeira viagem, tínhamos nos esquecido de girar o ferrinho que abria a saída da chaminé da lareira...

Tivemos que abrir todas as janelas da casa para deixar a fumaça sair, e estava muito frio naquela noite; mas acabamos dando boas gargalhadas. 

O fogo parece que atrai os olhares; é raro quem não fique olhando para as chamas quando está perto delas. Ele convida as pessoas a se juntarem e contarem histórias, ver fotografias e lembrar do passado. O cheirinho da lenha queimando é delicioso. Por aqui, temos usado lenha ecológica, que dura mais no fogo e não vem de árvores cortadas ilegalmente.

E é claro: sempre antes de acendermos o fogo da lareira, verificamos se a saída da chaminé está aberta.



terça-feira, 23 de junho de 2015

Para Esquentar o Frio


A imagem é do Google, mas a minha ficou igualzinha!



Aproveitando meu clima de dieta, decidi inventar algumas sopinhas para esquentar o frio. Uma delas, que comi hoje no almoço, foi assim:

-Meio quilo de batata baroa
-Alho picadinho e sal à gosto
-Bastante cheiro verde
-Couve picada bem fininha
-Mais ou menos cem gramas de carne picada bem pequenininha


A imagem também é do Google, mas meus croutons ficaram assim!

Primeiro, eu fritei bem o alho juntamente com a carne picada; depois, coloquei as batatas picadas por cima, cobrindo com água, e deixei-as cozinhando lentamente até desmancharem. Adicionei o sal e a couve, e deixei no fogo por mais cinco minutos. Depois de pronto, joguei o cheiro verde  por cima. Se quiser, faça croutons: corte pedaços de pão amanhecido em quadradinhos, jogue azeite e orégano por cima e leve ao forno para dourar.

Não ficou bom.

Ficou excelente!

Acho que vou acabar virando especialista em sopas e caldinhos...



quinta-feira, 18 de junho de 2015

Folhas Secas



Imagem: Google




Todos os dias eu varro as folhas secas que caem dos ipês - tenho um amarelo e um roxo. Elas são espalhadas pelo vento sobre o gramado, e mesmo recolhendo-as de manhã, ao final da tarde elas estarão lá novamente. É sempre assim nesta época do ano, e eu não me importo de fazê-lo; acho bonita  a maneira como elas caem, limpando os galhos para a produção das flores. Meu ipê roxo ainda é jovem, e dá poucas flores; mas parece que este ano a coisa vai mudar, pois as flores estão se abrindo antes mesmo das folhas terminarem de cair.

Conversando com uma pessoa, ela me disse que tinha mandado cortar o ipê roxo do seu terreno, e quando eu perguntei porque, ela deu de ombros e respondeu: "Ah, ele sujava tudo em volta!" Fiquei triste pela árvore, mas ainda mais pela pessoa...


segunda-feira, 8 de junho de 2015

Sua casa tem Cheiro de quê?






Ontem, enquanto passeávamos na rua, meu marido de repente comentou: "Estou sentindo o cheiro da nossa primeira casa. Lembra?" Tentei trazer algum cheiro à memória, e o primeiro que me veio, foi o de café na nossa primeira manhã lá. Estava frio; abri os olhos e olhei em volta, para aquelas paredes novas, o quarto bem maior do que nosso antigo quarto. Levantei-me como se estivesse em sonho, e fui fazer café. O cheiro do café espalhou-se pela casa toda, e é dele que eu me lembrei quando meu marido perguntou-me sobre o cheiro da nossa antiga casa.

Mas não era aquele cheiro... ele disse: "Não é assim... é um cheiro de perfume que ela costumava ter." Não consegui lembrar-me de nenhum cheiro de perfume em especial, a não ser do produto de limpeza que eu usava por lá. Talvez a cera, quem sabe, um desinfetante... cheguei à conclusão de que o cheiro do qual ele estava falando, era um que só ele sentia, talvez diferente do que o que eu sentia.

Toda casa tem um cheiro. Quando chego junto ao portão do vizinho e respiro fundo, sinto o cheiro da casa dele. É um misto de madeira e lareira, com um toque de alguma coisa antiga... o cheiro da minha atual casa é de pó de café, incensos variados e às vezes, um aromatizador de ambiente que uso. Mas o cheiro verdadeiro  vai além disto... é algo indescritível. É um cheiro que eu reconheceria mesmo de olhos fechados. Acho que é cheiro de lar.

Há alguns cheiros que ferem minhas narinas se eu os sinto ao entrar em uma casa: roupa suja, banheiro sujo, peixe, lixo, gordura velha e impregnada e cheiro de comida estragada na geladeira. Dá uma sensação de lugar descuidado. Gosto de sentir nas roupas cheiro de sabão e amaciante, e no ar, perfumes bem suaves. Certa vez comprei um aromatizador de canela e cravo que era forte demais, e acabei jogando-o fora. 

Aqui em casa eu uso o mesmo desinfetante há muitos anos, e ele deixa um perfume floral bem discreto nas coisas. Nos cobertores e edredons eu uso apenas sabão e amaciante, e deixo-os ao sol antes de usar se estiverem guardados há muito tempo. Certa vez borrifei meu perfume, o Nina, de Nina Ricci, na roupa de cama; não deu certo! Apesar de adorar o cheiro quando o uso em mim mesma, descobri que ele simplesmente não foi feito para perfumar as coisas em uma casa.

Os cheiros personalizam espaços, e é preciso ter muito cuidado ao escolher um; o mais importante, é que ele não seja forte demais, pois pode causar alergias ou até dores de cabeça, e deve ser agradável a todos que moram na casa ou que dividem o espaço. Já deixei de usar um cheiro porque uma de minhas alunas não gostava de senti-lo. Também não é aconselhável usar vários cheiros diferentes na mesma casa, pois pode causar uma confusão olfativa que, ao invés de perfumar, acaba sendo desagradável. No quarto de dormir, eu hoje não uso mais nada, a não ser o sabão e o amaciante das roupas de cama...

Quem tem animais que circulam dentro de casa, tem que ser mais cuidadoso ainda com os cheiros! Se eles fazem xixi no tapete, é muito difícil remover o cheiro se a gente não limpar na hora, e mesmo assim, ainda fica alguma coisa... perdi dois tapetes por causa dos meus cães, e aprendi a lição: se eles entram, antes eu enrolo e recolho os tapetes! Sem contar que os animais tem um cheiro característico, mesmo que tomem banho regularmente, sejam escovados e bem cuidados, e quem não gosta deste cheiro, deve mantê-los sempre do lado de fora da casa; quem ama animais, sabe que precisa ser muito mais cuidadoso com a higiene da casa, limpando-a muito mais vezes.

Quando meus cães saem, varro ou aspiro o local onde ficaram, passo um pano úmido com desinfetante e queimo um incenso. Mesmo assim, casa que tem cachorro terá cheiro de cachorro... quem mora, se acostuma e nem percebe mais, mas quem vem de fora, logo nota. Portanto, todo cuidado é pouco.

Além dos muitos produtos existentes no mercado para ajudar a resolver os problemas de 'cheiros desagradáveis' dentro de uma casa, há outras coisas que a gente pode fazer:

-Mantenha a casa arejada durante algumas horas por dia. Abra as janelas, deixe o sol entrar, coloque cobertas e edredons ao sol.

-Evite fumar dentro de casa. Melhor ainda: não fume jamais.

-Ao cozinhar alimentos de cheiro forte, faça-o com as janelas abertas, e se houver uma porta que isole a cozinha nessas horas, é melhor deixá-la fechada.

-É bom deixar uma tigela com vinagre nos cantinhos da casa durante algumas horas. Rodelas de limão também ajudam. 

-Colocar paus de canela e alguns cravos em vários recipientes, e deixá-los nos cantinhos.

-Espalhe pó de café molhado em uma assadeira e leve ao forno para secar; é ótimo para tirar cheiros da geladeira.

-Na rua, cuidado onde pisa! Levamos muitos cheiros desagradáveis sob a sola dos pés, e espalhamos pela casa. Acho que neste ponto, os japoneses estão certos: o ideal seria se tivéssemos, por aqui, o costume de tirar os sapatos antes de entrarmos em casa.


-Jogue o lixo fora regularmente.

-Inspecione a geladeira e veja se não há nenhum tipo de alimento esquecido lá no cantinho, atrás dos potes...


-Limpe! Faça uso do aspirador de pó, desinfetantes, aromatizantes, enfim, mãos à obra! Uma casa limpa dificilmente terá mau cheiro.







quarta-feira, 3 de junho de 2015

CASAS FRIAS







Aqui em Petrópolis, é muito comum encontrarmos casas frias. Certa vez, minha irmã morou em uma, que ficava no bairro Duchas. Era até bonitinha, mas durante a noite, crescia um mofo peludo e verde sobre a porta da geladeira. Eu achava até bonito, embora fosse muito inconveniente. De manhã, ela saia limpando tudo com um pano.

Durante sete anos, eu mesma morei em uma casa onde não batia sol durante o inverno. No verão, era ensolarada, clara e muito arejada, mas quando chegava o mês de maio, o sol se escondia por trás das árvores que ficavam em um morro atrás da casa, e só voltava a dar as caras em meados de agosto... lembro-me que eu tinha que deixar as portas dos armários abertas ao sair, para arejar, e eles eram cheios daqueles produtos anti-mofo, espalhados em todas as prateleiras e entre os cabides. 

Na casa onde moro hoje, há alguns dias de inverno em que o chão da área de serviço se cobre de umidade. Ainda bem que esses dias são bem raros, e logo vão embora. E olha que a a minha casa é arejada e muito ensolarada!

 Passeando por algumas ruas de Petrópolis, como a Avenida Presidente Kennedy, a gente pode ver o musgo verde entre as pedras dos muros. Eu acho bonito, parece veludo.

Gosto do inverno, e dos lugares frios. Há muitas maneiras de se aquecer uma casa: podemos ter uma lareira, por exemplo, ou comprar um aquecedor elétrico. Fazer um bolo na cozinha, em um dia frio, também deixa tudo mais quentinho. Acho delicioso sentar-me no sofá, enrolada em um cobertor, a fim de assistir a um filme ou ler um livro! Ah, o privilégio de poder engatar em uma faxina sem suar! O trabalho fica mais leve e flui melhor.

À noite, a gente se enrola nos edredons e cobertores, e dorme o sono dos justos... sempre contando com a ajuda preciosa das pernas do cara-metade enroladas nas minhas.

No jardim, minhas orquídeas, as que eu mandei amarrar nas árvores, estão cheias de botões, e mal posso esperar para vê-las floridas... o ipê já prepara-se para florescer em setembro, as folhas caindo sobre o gramado úmido. Acordo pela manhã, e a paisagem está toda coberta de uma densa névoa branca, que deixa apenas os picos das montanhas de fora, cobrindo todo o resto, dando a tudo um toque surreal. E conforme a manhã avança, a neblina vai sendo dissipada, dando lugar a um sol que aquece sem exageros...

Hora de abrir as janelas e portas da casa, colocar mantas e cobertores sobre os peitoris das janelas, e pendurar os tapetes na varanda...