quinta-feira, 27 de agosto de 2015

As Casas Envelhecem...






Às vezes eu vejo filmes que foram feitos em países como a Itália ou a Irlanda, e presto atenção nas casas antigas que existem por lá. Elas são mantidas com sua arquitetura original. Pode ter um quebradinho na parede, ou a tinta da janela descascando. Os móveis são antigos, e o portões, de tão velhos, rangem ao serem abertos.

Penso na casa de meus pais, onde cresci. Já era velhinha quando eu nasci, acredito que ela tenha mais de cento e cinquenta anos, quem sabe... nunca foi muito reformada. As casas também envelhecem, e acho que quando isso acontece, os moradores devem manter sua estrutura original ao reformá-las, sem modificar a fachada ou a disposição dos cômodos. As casas são como nós: trazem sua história escrita nas paredes, e quando a reforma é radical demais, toda ela é apagada para sempre. 






Gosto da ação do tempo sobre as coisas; é o wabi-sabi agindo. Para quem não sabe o que é o wabi-sabi, a Wikipedia explica: 

"Wabi-sabi (侘寂?) representa uma abrangente visão de mundo japonesa, uma visão estética centrada na aceitação da transitoriedade e imperfeição. Esta concepção estética é muitas vezes descrita como a do belo que é "imperfeito, impermanente e incompleto". Uma idealização artística desenvolvida por volta do século XV no Japão, durante o período Muromachi, com bases nos ideais do zen budismo. É um conceito derivado dos ensinamentos budistas das três marcas da existência (三法印, sanbōin?), nomeadamente anicca (impermanência), as outras duas sendo dukkha (sofrimento) e anatta (não-eu).

As características estéticas do wabi-sabi incluem assimetria, aspereza (rugosidade ou irregularidade), a simplicidade, a economia, a austeridade, a modéstia, a intimidade e a valorização da integridade ingenua de objetos e processos naturais.

O wabi-sabi é a apreciação estética do despojamento, utilizada por Sen no Rikyu na cerimónia do chá. Refere-se ao viver uma vida comum com o despojamento, com a insuficiência ou com a imperfeição, e está relacionado às doutrinas de desapego do Zen budismo. Estes conceitos estão representados na produção artística através do rústico, do imperfeito, do monocromático e do aspecto natural. Através de wabi e sabi é possível o alcance do vazio da mente que traz tranquilidade. wabi significa "quietude" e sabi "simplicidade", e expressam-se através da querença que os japoneses possuem por simplicidade e subtileza."

Acho bonitas as marcas do tempo em uma casa. Adoro caminhar por casas antigas, sentí-las, conversar com elas em silêncio e imaginar suas histórias.


"Quando os japoneses consertam objetos, eles destacam os danos enchendo as rachaduras com ouro. Eles creem que quando algo sofre um dano e tem uma história, ele se torna mais belo."



segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Uma Casa Vazia





Desde que compramos nossa casa, há onze anos, há uma outra quase em frente a nossa que está vazia desde antes de nos mudarmos, e nem sei dizer há quanto tempo. Os donos não são de Petrópolis, e raramente aparecem; quando vêm (mais ou menos duas vezes por ano), abrem as janelas, espanam teias de aranha e vão embora rapidamente.

A casa tem uma fachada feia: dois andares quadrados e sem-graça, ela é enfei(t)ada por azulejos. A garagem não passa de um telheiro quadrado suportado por quatro pedaços de madeira. Mesmo assim, eu sempre olhei para a casa com muita curiosidade, pois adoro casas antigas. Esta parece ter sido construída nos anos sessenta ou setenta.

Comentei há alguns anos com meu vizinho Jorge, que de vez em quando ajuda-nos a resolver pequenos problemas domésticos, sobre minha vontade de entrar na casa. Ele respondeu: "É uma casa muito boa! Grande, espaçosa mesmo." 

Eu às vezes ficava da minha janela, olhando para ela lá do outro lado da rua. Pensei: parece até uma casa assombrada. Depois que meu vizinho me disse que era uma casa boa, fiquei mais curiosa ainda, embora fosse difícil conceber que a feiosa fosse também jeitosa.

Na semana passada, ouvi meu vizinho chamando-me ao portão: "Dona Ana, estamos trabalhando na casa. Quer conhecer?" Não me fiz de rogada, e matei minha curiosidade!

E não é que a feiosa é jeitosa mesmo?

Fiquei impressionada com a sala de estar, logo de cara: grande, bem maior que a minha, chão de tábuas corridas, e as escadas que levam ao andar superior tem um lindo corrimão de madeira trabalhada,  sólido e grosso. A cozinha é pequena, mas muito ajeitada. No andar superior, após um hall que mais parece outra sala, três quartos e um banheiro. Os quartos não são muito grandes, mas ao chegar às janelas, deslumbrei-me com uma linda vista de árvores e montanhas!

Na suíte do andar inferior, descobri uma velha rádio-vitrola que eu adoraria que fosse minha, e nos fundos da casa, escadinhas que conduziam a um platô gramado, onde imaginei banquinhos e uma mesinha de jardim com cadeiras. Olhei para cima, e lá estava a floresta e toda a sua força verde! Um quintal de fundos que dá para uma floresta, para mim é um luxo só!

Fiquei andando pela casa, imaginando como ela poderia ficar depois de algumas reformas. O cheiro de mofo não me espantou, nem alguns dos móveis quebrados e algumas janelas com vidros rachados nos fundos da casa. Quando eu olho para uma casa, eu vejo além do que ela mostra. Se não fosse assim, nem teria comprado esta aqui... estava em péssimo estado quando a adquirimos. Ah, se eu pudesse, comprava a casa. Adoraria reformá-la, embelezar a fachada feia e sem-graça, decorá-la... 

As aparências realmente enganam, e esta casa parece estar aqui para comprovar esta teoria.



terça-feira, 18 de agosto de 2015

A CASA ÁS VEZES TEM SAUDADES




Alguém já viu uma casa com saudades?

É quando os passos ecoam mais alto pelo chão. As paredes parecem mais frias, e à noite, tudo fica mais silencioso do que o habitual. O som da TV - que às vezes a gente usa para espantar a solidão - apenas a acentua. As fotografias parecem querer falar e contar as histórias que ficaram de alguém que não mais vive naquela casa. Ao mesmo tempo, elas estão mudas, e só falam às lembranças de quem as olha.

No jardim, as flores roxas que caem das árvores tem cheiro de tristeza. A areia no chão não exibe pegadas. As plantas parecem não se importar se vivem ou morrem.

Uma casa com saudades guarda apenas os sonhos mais tristes para suas noites, e eles ficam bordados nas fronhas, impregnados nos lençóis. Passarinho de manhã não canta na árvore próxima à janela: chora.

As nuvens carregadas passam sobre os telhados, mas não chovem. Os ventos sopram através das frestas, portas e janelas, uivando de saudades. 

Uma casa com saudades pode ficar com as paredes mofadas rapidamente. O relógio da parede às vezes para de funcionar. O telefone nunca toca. E pode ser que aquilo que a casa mais teme, venha a acontecer: alguém que não aguenta viver cercado pela saudade tranca suas portas e nunca mais volta a abri-las. 



quarta-feira, 12 de agosto de 2015

O que eu Aprendi Com o Racionamento D'água






Sempre tivemos água em abundância aqui em casa. Água pura, boa, de mina, daquela que nasce lá no meio da mata e escorre cristalina sobre a pedra e depois, até o reservatório. Porém, ultimamente, com o aumento do número de moradores em meu bairro, as mudanças climáticas e ao mesmo tempo,  o longo período de estiagem, a mina não tem mais dado conta como antes. Assim, estamos passando por um período de racionamento, no qual a água deve ser economizada com muita parcimônia para que não venha a faltar.

Percebi o quanto eu vinha desperdiçando água, mesmo achando que eu economizava; por este motivo, decidi partilhar minha experiência, já que o problema é global, e não apenas em minha região, e dar algumas dicas sobre coisas que nós temos feito; coisas que nós descobrimos devido ao racionamento.

-Eu costumava lavar a louça com a torneira toda aberta; hoje, abro bem pouquinho, e ao invés de usar o jato d'água para limpar a louça, eu uso mais as mãos. A louça fica limpa da mesma forma, e não gasto tanta água. Ainda coloco uma vasilha sob a louça que está sendo lavada, e recolho a água que cai...

-...E que é usada para molhar as plantas nos vasos. Descobri que elas não se ressentem quanto ao detergente, e que ele até ajuda a combater as pragas.

-Coloco os talheres em um recipiente após ensaboá-los, e enxáguo todos de uma vez só, ao invés de um a um, como eu fazia. Se vejo que não estão bem limpos, jogo um pouco de água quente.

-Descobri que não é necessário lavar a roupa duas ou três vezes por semana; lavo as peças íntimas enquanto a água do chuveiro esquenta de manhã, e as outras, apenas uma vez por semana. Economizo água, luz, sabão, alvejante e amaciante. Panos de cozinha são lavados rapidamente sob a torneira da pia, com um pouquinho de detergente, que não faz muita espuma e é fácil de enxaguar. 

-Descobri também que não é necessário ficar sob o chuveiro durante mais que... dois minutos! Em um minuto, molho o corpo e os cabelos; com o chuveiro desligado, me ensaboo, passo o xampu e esfrego. Depois, em um minuto, eu me enxáguo. 

-Da mesma forma, não é preciso deixar a torneira aberta enquanto escovo os dentes!

-Não há motivos para usar os três banheiros durante o dia, como eu fazia antes, o que acarretava ter que limpá-los com mais frequência e dar a descarga nos três. Uso apenas o do meu quarto, e dou a descarga somente à noite. 

-Ao lavar a roupa, recolho a água em um recipiente grande, e a uso para lavar o canil e a varanda, e o que sobra, eu guardo para pequenas emergências, como lavar panos de chão, ou jogar no vaso sanitário, por exemplo.

-Os cães vão tomar banho na pet shop, uma vez por mês, e entre os banhos, uso um produto chamado "Banho à Seco", que usado antes da escovação do pelo, limpa, perfuma e deixa o sedoso e sem odores ruins. 

-Não é preciso jogar água em cozinhas e banheiros para que fiquem limpos! Hoje em dia, há vários produtos poderosos que, quando passados com um esfregão ou esponja, deixam as superfícies limpas, perfumadas e desinfectadas. Ou então, uso álcool puro em pisos frios e azulejos. 

-Durante o período de estiagem, eu simplesmente não molho o jardim; as plantas não ficam tão bonitas, mas elas sobrevivem, e quando chove, elas voltam à vida. Afinal, é preciso estabelecer prioridades, mas sempre que sobra um pouquinho de água da cozinha, eu escolho uma plantinha para "premiar..."

-Lavar calçadas e escadas do jardim todos os dias, nem pensar! Faço isso apenas uma vez por semana, quando aproveito a água da roupa, e economizando ao máximo. Nos outros dias, apenas varro.

-Estamos também pensando em um reservatório para colher a água da chuva - que se Deus quiser, vai chegar. Com ela, poderemos manter o jardim e o canil.

Acho que a gente acaba aprendendo com tudo na vida, e as dificuldades nos despertam para as coisas que geralmente, negligenciamos. O problema de água no planeta é algo muito sério hoje em dia, embora a maioria das pessoas continue pensando que a água é um recurso inesgotável. Ainda se ouve falar de gente lavando calçadas com mangueiras, usando água para molhar o jardim, escovando os dentes com a torneira aberta e ficando horas sob o chuveiro. Pior de tudo: tem gente que promove queimadas. Há uma em curso na montanha em frente á minha casa neste exato momento, e fico pensando o que as pessoas tem na cabeça para fazer algo assim.

Tem gente que ainda não percebeu a gravidade da situação, e que acha que pessoas como eu estão exagerando, ou são fatalistas. Eu espero sinceramente que elas estejam certas.



segunda-feira, 10 de agosto de 2015

UMA VASSOURA





Gosto de deixar limpas e perfumadas todas as casas das quais eu me mudo. Costumo acender um incenso, percorrer os cômodos e ir me despedindo. Penso que a nova família que irá ocupá-la, gostará de encontrar a casa limpa, sem poeira ou lixo, o chão brilhando, os banheiros lavados. Mas eu nunca levo panos de limpeza usados ou vassouras velhas; jogo tudo fora. 

A única vassoura que me acompanha desde que me casei é uma antiga, feita de crina de cavalo (naquela época, era comum que colchões e vassouras fossem feitos dos pelos desses pobres animais, e ninguém parava para pensar no assunto...). Só sei que a vassoura tem quase vinte e cinco anos hoje, e está perfeita. Dela, eu não me separo. Ela já viu muitas vassouras novas chegarem cheias de pompa e circunstância, se achando as tais, e irem embora, jogadas no lixo ao se tornarem inúteis, enquanto ela permanece firme e forte, as cerdas perfeitas, o cabo de ferro pintado de vermelho já descascando aqui e ali, mas firme no lugar. Ela foi a única que eu trouxe comigo do apartamento onde moramos quando nos casamos e mais tarde, da antiga casa.

Ainda na casa antiga, em ocasião na qual fazíamos obras no banheiro, me lembro de um dia em que antes de sair de casa,  avisei ao pedreiro: "Se precisar varrer pó de cimento do chão, por favor, use a vassoura de piaçava. Não use minha vassoura de pelo para varrer sujeira de obra, OK?" Ele concordou comigo, e fui sair, tranquila.

Quase tive um ataque de nervos quando, ao voltar, encontrei-o varrendo cimento úmido com minha vassoura de estimação! Já quase gritando, me lembro de dizer: "Mas eu não avisei para não usar a minha vassoura para fazer este tipo de serviço?!" Ele nem se abalou: "Era a que estava mais perto  no momento." Arranquei minha vassoura das mãos dele, e  "cantando pneus," fui para o tanque lavá-la antes que o cimento secasse. Nunca mais ele tocou na minha vassoura.

Hoje, aos quase cinquenta anos de idade, eu às vezes penso se esta será a nossa última casa, se nós moraremos nela até o fim da vida ou se acabaremos nos mudando para um apartamento menor, sem escadas ou jardim e mais fácil de limpar e cuidar quando ficarmos mais velhos. Bem, seja qual for a resposta, a vassoura estará conosco, e será com ela que varrerei  meu alpendre pela última vez - esteja onde estiver.







domingo, 2 de agosto de 2015

ACENDA UMA VELA!


Iluminarium, em Itaipava.


Nada mais romântico que um jantar à luz de velas. As pupilas ficam mais dilatadas, tornando os olhares mais intensos, e a iluminação suave torna tudo bem mais romântico e aconchegante. 
Quando eu era criança, havia períodos de falta de luz quase todas as noites em meu bairro, e nós sempre tínhamos velas em casa. Era acabar a luz e minha mãe acendia as velas pela casa, que de repente  se transformava em um universo paralelo e mágico onde tudo era possível! Poderia haver fadas, duendes ou monstros descansando entre as sombras, e minha imaginação de criadora de histórias, que aflorou bem cedo,  começava a funcionar a todo vapor.




As primeira velas das quais se tem notícia remontam aos tempos primitivos, segundo pinturas encontradas em cavernas,  e eram feitas de gordura animal. De acordo com o site A ORIGEM DAS COISAS, "As primeiras referências às velas datam do séc. X a.C. e vêm referidas em textos Bíblicos. Essas velas eram nada mais que simples de juncos besuntados com sebo. Descobertas arqueológicas encontraram no Egito e na Grécia velas com formato de bastão. Para os gregos as velas simbolizavam o luar e constatou-se que na Grécia as velas eram usadas ao 6º dia de cada mês como adoração a Artemisa, a deusa grega da caça."




Até hoje, a maioria das religiões tem as velas como parte de seus rituais. Acendemos velas aos mortos, acreditando que elas podem iluminar-lhes os caminhos. Também as usamos para agradecer por uma graça alcançada e para pedirmos iluminação e proteção aos nossos anjos guardiões. E durante os aniversários, quem não gosta de cantar "Parabéns à você" e apagar as velinhas?

Acreditava-se, antigamente, que a chama das velas, quando fixadas insistentemente, possibilitava a visão de espíritos e a previsão do futuro. A antiga dinastia chinesa costumava usar relógios de velas para contar o tempo.

Iluminarium, em Itaipava

Hoje, utilizamos velas não apenas para iluminar ambientes quando a luz acaba, mas também como ornamentos decorativos. Algumas são tão lindas, que a gente tem pena de acender os pavios! Tenho aqui em casa minha pequena coleção de velas, que eu geralmente adquiro em Itaipava, no Shopping Vilarejo, em uma lojinha que é um encanto só, chamada  "Iluminarium." A página no Facebook:https://pt-br.facebook.com/IluminariumVelasEDecoracoesLá, além das velas, tem coisas lindas para decorar a casa e presentear os amigosÉ tanta coisa bonita, que a gente não sabe para onde olhar! 


As velas podem ser temáticas, comemorativas; eles tem velas para todas as ocasiões e datas especiais! Conhecer esta loja é algo que eu recomendo.

Aqui em casa, temos velas enfeitando o espaço em volta da lareira, espalhadas em cachepôs que pendem do telhado da varanda, enfim, enfeitando quase todos os espaços da casa. Eu adoro!