sexta-feira, 1 de abril de 2016

UM DIA EM CASA








Todo mundo tem um medo, seja ele pequeno e perfeitamente controlável, ou grande – como uma verdadeira fobia. Quem me conhece sabe muito bem qual é o meu: aranhas. Tenho pavor destes bichos peludos, cheios de olhos, que se escondem em buracos na terra ou então constroem aquelas teias enormes que agarram nos cabelos de quem passa. E se elas são tão pequenas ao ponto de não causarem medo, elas me deixam irritada porque constroem suas teias em todos os lugares: roda-tetos, cantinhos de parede ou debaixo de armários. Nos dias de faxina, aspirador de pó em mãos, saio aspirando essas bichinhas danadas de cada canto da casa, apenas para constatar, alguns dias mais tarde, que elas deixaram descendentes e que estes resolveram continuar a saga da família morta, reocupando os locais de seus ancestrais. 

Imagine se, inesperadamente, o seu maior medo estivesse diante de você; vamos supor que seu maior medo seja ser assaltado, e de repente, você se encontrasse em uma rua deserta com alguém apontando-lhe uma arma. Ou então, se você tivesse medo de se afogar e caísse em um lago ou rio. Só de pensar, já sente calafrios, não? O coração bate mais forte, o juízo se perde e dá uma vontade enorme de sair correndo.  Pois foi exatamente o que aconteceu comigo.

O jardineiro estava em cima de uma árvore alta no jardim, retirando ervas daninhas, quando precisei falar com ele e fiquei debaixo da árvore enquanto falava. Após terminarmos a conversa, entrei na cozinha e senti que havia alguma coisa grande e viva na parte de trás do meu ombro, sobre a pele próxima às costas, se mexendo e tentando me agarrar com as patas – ou com os ferrões. Pensei; “Está acontecendo. Seu maior medo está em suas costas, e agora, o que você vai fazer? Com certeza, será picada e precisará ser levada até um hospital. A pele vai inflamar e você terá uma gangrena. Ana, você se deu mal!” Estes pensamentos me ocorreram em questão de segundos. Instintivamente, embora sabendo que seria a coisa mais estúpida a se fazer, levei a mão ao local (já aos berros); lá do alto de sua árvore, o jardineiro gritava: “Está tudo bem aí, dona Ana?”  Bem, ele está um tanto acima do peso, e não teria como descer da árvore rapidamente a fim de me acudir. Segurei a coisa que me atormentava, e ela agarrou meus dedos com as patas. Sacudi a mão violentamente, sem olhar, gritando de nervoso, e ela finalmente caiu no chão com um barulho seco, escorregando para debaixo da cortina da pia. Olhei para meu dedo, e havia uma marca profunda, como se algo tivesse tentado perfura-lo. Pensei em ferrões, e os arrepios de pavor recomeçaram. 

Aliviada – afinal, não tinha sido picada – respirei fundo e tentei colocar meus pensamentos no lugar, recobrando a calma. Disse a mim mesma: “Ana, você vai ter que erguer a cortina e olhar debaixo da pia.” Munida de vassoura, abri a cortina e dei com um enorme besouro branco deitado de costas, agitando as patas. Nunca tinha visto um igual antes. As asas eram ásperas e opacas, cheias de protuberâncias, e sobre cada uma delas, uma cor dourada como ouro. Não era a tão temida aranha, mas ele tentara me picar, e por isso, fui com cuidado; peguei a casca da banana que eu estivera comendo (esqueci de mencionar o fato de eu estar comendo uma banana) e tentei desvirá-lo com ela. Ele prontamente a agarrou. Percebi que ele tinha um nariz comprido e pontudo, como um furão. Imediatamente, ele o enterrou na casca da banana. Pensei que poderia ter sido o meu dedo, e me arrepiei toda!

Levei-o para fora e mostrei-o ao jardineiro, que ainda estava em cima da árvore. Concordamos que nunca tínhamos visto um besouro daqueles, e o quanto ele era bonito e especialmente diferente. Coloquei a casca entre umas samambaias e deixei-o ali, ainda agarrado a ela com as patas e o nariz pontudo, talvez bem mais assustado do que eu. Nem me lembrei de fotografá-lo, como sempre faço quando encontro um animal bonito ou diferente no jardim. 

A melhor parte de quando você pensa estar diante de seu maior medo, é descobrir que não era nada, afinal, e que caso tivesse sido, você já sabe exatamente como teria se sentido. E é claro, o alívio que vem depois que você descobre.



Ele era bem parecido com este, mas totalmente branco e dourado nas pontinhas.


2 comentários:

  1. Ana, eu que não tenho medo de aranhas, temi... rs...
    Ainda bem que não era!
    Morro de medo de barata, o pior é que sinto o cheiro, se tiver uma barata no mesmo cômodo que eu, eu sei e farejo (toda arrepiada de nojo e tremendo de medo) quando encontro, eu grito... Apesar de já ter constatado que baratas não morrem de susto, sempre grito o máximo que posso, rs...

    Adorei.

    ResponderExcluir
  2. Ah, Ana, tenho algumas fobias que não sabia e imagino, como deve ter sido horrível, a sensação de ter uma aranha no ombro!
    Aqui tem aranhas aos montes, deixei por algum tempo, por conta dos mosquitos, mas como elas se proliferam muito rápido, tive de fazer uma faxina.
    Susto eu tive, numa noite, ao voltar do culto, passo por muitas árvores e senti alguma coisa estranha na cabeça, como você fui com a mão e era uma aranha enorme e peluda, só de lembrar me arrepia toda, ainda bem que o medo não me paralisou, agi muito rápido, peguei e a joguei.
    Ana, naquele dia custei a pegar no sono.
    Agora, quase surtei, quando vi minha gatinha com um filhote de lagarto na boca, entrei em choque, logo depois ela apareceu com o maxilar inferior estourado, acho que a mãe do lagartinho deu uma surra nela, precisou fazer "plástica" para reconstituir o maxilar, a veterinária fez um excelente trabalho.
    Que os nossos medos tomem jeito e não nos levem para hospital, com dedos ou ombros picados!
    Feliz semana, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir

Sinta-se em casa para deixar um comentário, por favor. Espero que tenha gostado. Obrigada pela visita!