segunda-feira, 11 de julho de 2016

A Alma







De repente, assim do nada, parecia que uma nuvem negra tinha resolvido ficar sobre a minha cabeça. As cores da paisagem desbotaram, o frio se intensificou e pensamentos ruins começaram a tomar conta de mim. Uma onda de negatividade fazia penetrarem as suas gavinhas aos poucos, sorrateiramente, tentando dominar o sentimento. O dia estava lindo, mas nada daquela beleza conseguia chegar até mim. Eu olhava pela janela e só sentia tristeza.

Fui lá para fora, e comecei a pensar em uma porção de coisas ruins, que já tinham acontecido e que não seria mais possível modificar. Coisas que há muito tempo eu já tinha deixado para trás, lá no passado, pois eu já as tinha vivenciado e aprendido o que podia com elas. E vieram os questionamentos: "Talvez, se eu tivesse conseguido..." "Quem sabe, se eu tivesse insistido um pouco mais..." pensamentos inúteis e depressivos, pois as coisas se deram da maneira que tinha que ser, e eu não teria o poder de mudá-las nem se eu tivesse brigado com o mundo e com Deus. 

De repente, eu me dei conta: como é que aquelas coisas poderiam ter chegado assim, daquela forma tão repentina, se há questão de minutos, tudo estava indo bem? De onde vinham aqueles pensamentos tão mórbidos e irritadiços? Me dei conta de que eles não vinham de mim; a impressão que eu tinha, é que alguma coisa estava me obrigando a pensar daquela forma, me arrastando à força para um estado de tristeza no qual eu não queria permanecer. Eu precisava lutar contra aquilo!

E comecei a pensar em todas as coisas pelas quais eu deveria - devo - ser grata. Olhei em volta, e agradeci pela minha casa, pela comida que não falta à nossa mesa, pela minha família, meu marido que eu amo acima de tudo, meus cães (os de hoje e os de ontem), meu trabalho, o fato de eu ter sempre tido mãe e pai cuidando de mim enquanto eu precisei deles, e também por todos os bens materiais que pudemos conquistar (sem deixar que nós fôssemos conquistados por eles), pelos bons vizinhos que eu tenho, do tipo que quando ficam sabendo que você está resfriada, preparam xarope de mel e guaco e vem trazer para você, que pintam sua casa, dão banho em seus cães e ajudam no que podem. 

Aos poucos, as nuvens negras foram indo embora. Não há pensamento ruim que permaneça quando a gente se lembra de agradecer, e quando a gente simplesmente decide que eles não vão ficar. Por que eles surgem, assim, do nada? Eu acredito que às vezes eles podem ser enviados para nós de propósito através dos pensamentos de pessoas que não gostam da gente. Mas quem tem a maior força sobre nós somos nós mesmos e Deus. Não podemos nos esquecer disto. 

Noutras vezes, eles até parecem ter surgido do nada, mas estavam ali dentro da gente o tempo todo, e nós os ignoramos porque não queríamos lidar com eles. 

Mas eu acho que desta vez, foi o primeiro caso. Ninguém fica de mal com a vida de um minuto para o outro, com dor de cabeça e enjoado, cansado e bocejando feito louco quando há alguns segundos apenas estava cantando e feliz da vida. Não mesmo! 

Mas assim como quem manda na minha casa sou eu, quem manda na minha alma também sou eu. Podemos lutar contra esse tipo de coisa! Podemos e devemos. Devemos lamentar que coisas assim aconteçam, porque acho que há lugar para todo mundo no mundo, todos temos o direito de estar aqui.  Não é preciso mandar coisa ruim para ninguém. Isso é uma perda de tempo.

E a melhor forma de agir quando nos sentimos assim, é agradecendo pelas coisas boas que temos na nossa vida - e não são poucas. Cantar ajuda. Fazer alguma atividade vigorosa, como caminhar ou varrer o chão, também podem ajudar. Tomar uma xícara de chá assistindo a um bom filme, ou ler um livro motivador, faz milagres. O que não podemos jamais deixar acontecer, é permitir que as gavinhas da depressão e do pessimismo nos envolvam. Podemos também chamar o Anjo da Guarda (sempre faço isso) ou rezar para um santo de devoção. O meu, é São Jorge.  

O mundo tem andado estranho... as pessoas se odeiam, se maltratam e maltratam umas às outras por nada. Esta semana eu me surpreendi porque uma pessoa da qual eu sempre gostei de repente, assim do nada, me disse uma coisa horrível, mesquinha. Fiquei triste, e muito chocada. Sempre nos demos muito bem, e ela sempre foi gentil comigo, e de repente... e eu acho que são essas energias ruins que andam circulando pelo mundo, no meio da gente. Não podemos deixar que elas nos peguem.



2 comentários:

  1. Estamos rodeados por energias...se sintonizarmos no bem e no amor...o bem e o amor nos rodeia...precisamos sempre estarmos vigiando em que sintonia estamos vibrando...temos que estar sempre com pensamentos bons... beijos...

    ResponderExcluir
  2. Ótimo texto. O nosso grande problema é que ficamos batendo na tecla errada: "o que não temos, o que queremos - mesmo que supérfluo". Na verdade se olharmos bem, 'N' coisas boas e relevantes não nos faltam. Temos tudo que precisamos, a vida pede o básico, a felicidade não custa muito, nada mais do que um espírito em paz. Mas a vaidade, as comparações acabam com os humanos. Vá ver, um colono, não raras vezes, é mais feliz do que um magnata, que gera inveja, cobiça, exibicionismo etc. Difícil ser feliz nessas circunstâncias.
    Beijo, Ana.

    ResponderExcluir

Sinta-se em casa para deixar um comentário, por favor. Espero que tenha gostado. Obrigada pela visita!