terça-feira, 23 de agosto de 2016

VIDRAÇAS - UMA REFLEXÃO










Se existe uma coisa que eu não gosto de fazer em uma casa - além de passar as roupas - é limpar as vidraças. Costumo evitar este aborrecimento até o momento em que começo a envergonhar-me de abrir as cortinas. Aqui em casa há muitas vidraças para serem limpas, e pode levar mais de duas horas para limpar todas elas. 

Considero as tarefas que não apreciamos como uma forma de disciplina. Todo mundo tem que fazer coisas das quais não gosta. É impossível viver fazendo apenas o que nos dá prazer. E se não houvesse quem desse cabo das tarefas desagradáveis, como seria o mundo? Imaginem só o que aconteceria se ninguém recolhesse o lixo, ou capinasse as ruas? São tarefas difíceis que exigem esforço físico, e que precisam ser executadas com regularidade, muitas vezes sob o calor forte do sol ou sob os pingos gelados da chuva. As pessoas que são responsáveis por elas, na minha opinião, deveriam ser muito bem pagas. Infelizmente, não é isso que acontece. 

As pessoas apenas valorizam as profissões que tem a ver com passar anos e anos em uma faculdade, e depois, em cursos de especialização, pós-graduação e mais especializações após um certo período de tempo. Outras tarefas são consideradas menos importantes. Fico pensando se algum dia, todos os tipos de trabalho serão considerados igualmente importantes. Quando este dia chegar, será também o dia em que todas as pessoas serão consideradas igualmente importantes.





6 comentários:

  1. Adoro passar roupa, embora nao faça com frequencia, mas me desestressa, enquanto passo roupa viajo em pensamentos...é uma terapia... mas, concordo com vc, acho o serviço mais chato da casa lavar vidraças... precisam inventar algo como algum liquido que jogado sobre elas, praticamente se limpem sozinhas...

    Beijos...

    ResponderExcluir
  2. Olá Ana!
    A vida é um constante exercício de tolerância, aceitação e indulgência perante algo que não se pode mudar.
    Ótimo texto para reflexão!
    Beijos e uma linda semana.

    ResponderExcluir
  3. Parabéns, amiga. Também tenho muitas coisas que detesto fazer. Não apenas atividades, caseiras, mas obrigações profissionais. Fui professor universitário por ais de quarenta anos. Era obrigado a publicar artigos em revistas indexadas para manter a cátedra. Gosto de escrever como você escreve, por prazer. Talvez tenha saído do foco de seu texto, mas aprouve-me colocar isso.

    ResponderExcluir
  4. Parabéns, amiga. Também tenho muitas coisas que detesto fazer. Não apenas atividades, caseiras, mas obrigações profissionais. Fui professor universitário por ais de quarenta anos. Era obrigado a publicar artigos em revistas indexadas para manter a cátedra. Gosto de escrever como você escreve, por prazer. Talvez tenha saído do foco de seu texto, mas aprouve-me colocar isso.

    ResponderExcluir
  5. É claro que todos têm tarefas que não gostam, já imaginou se não tivesse ninguém para fazer a tarefa de coveiro? Gostaria que o coveiro me contasse se o que ele faz lhe dá prazer...Numa sociedade, todos são importantes.
    Oportuno post.
    bj.

    ResponderExcluir
  6. Boa noite, Ana, verdade, nem tudo nos agrada, mas não podemos deixar de fazer, há que haver disciplina, para darmos conta de tudo que precisamos fazer.
    E, muito respeito por todos que executam as tarefas ao nosso redor, todas são muito importantes para o bom viver.
    Abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir

Sinta-se em casa para deixar um comentário, por favor. Espero que tenha gostado. Obrigada pela visita!