quarta-feira, 28 de setembro de 2016

É Muita Pressão!










Minha mãe tinha mania por panelas. Principalmente, panelas de pressão. Tinha várias, de vários tamanhos, velhas e novas. Algumas não tinham mais as válvulas, ou estas estavam quebradas. Elas serviam para cozinhar o angú dos cães (naquele tempo não existia essa coisa de ração não; era angú mesmo, misturado a restos de comida e pedaços de carne de segunda. E os cães eram todos gordos e saudáveis). 

Ela vivia recauchutando suas panelas de pressão: trocava as válvulas e as borrachas que ficam em volta da tampa. Usava uma agulha comprida e fina, vendida em camelôs, para desentupir as saídas da válvula. Confesso que, nesses meus vinte e seis anos como dona de casa, nunca troquei uma borracha de panela de pressão, e nem troquei ou limpei as válvulas. E por incrível que pareça, estou só na minha terceira panela de pressão nesses quase trinta anos.

Minha mãe vivia dizendo: "Panelas de pressão são perigosas! Não chegue perto do fogão quando elas estiverem no fogo! Não as sacuda, não as molhe e nem as deixe cair quando estiverem chiando! Cuidado para não encher a panela demais! Cuidado! Cuidado!" 





Quem nunca ouviu falar de panelas de pressão que apresentaram problemas, que atire a primeira tampa. Ou a primeira válvula entupida. Já ouvi dizer que uma mulher, conhecida de uma conhecida, quebrou a mandíbula depois que uma panela de pressão explodiu e a tampa bateu em seu queixo com toda força. Já ouvi também sobre panelas que explodiram e furaram o teto, ou a coifa, afundando o fogão. Recentemente, uma de minhas alunas, a Lorena, mostrou-me fotografias de uma cozinha totalmente pintada de feijão porque a válvula entupiu e o feijão começou a espirrar para todos os lados. Há histórias de pessoas que sofreram queimaduras sérias, e até de gente que não resistiu à pressão e acabou morrendo.

Eu também tenho a minha:



Eu tinha uns dezesseis anos quando meus pais adoeceram - peneumonia - e minha irmã, que morava no centro da cidade próximo a um pronto socorro, achou melhor que eles ficassem em sua casa, caso acontecesse algum problema e eles precisassem de tratamento de emergência. Eu fiquei sozinha em casa, pois minhas irmãs já eram casadas naquela época. Resolvi cozinhar uma sopa para o jantar. Piquei os legumes e a carne, juntei os temperos e coloquei tudo na panela de pressão.

Estava tudo indo às mil maravilhas, e fui assistir TV. De repente, escutei um chiado alto na cozinha, e quando cheguei lá, a panela estava espirrando sopa para todos os lados. Eu não sabia o que fazer; tinha medo de chegar perto e levar uma panelada no queixo, ou ficar com queimaduras sérias, ou ser assassinada pela panela de pressão. Desligar o fogo significaria ter que chegar perto da panela, e isso estava fora de cogitação! Depois de xingar, rezar e chorar, resolvi correr até a casa de minha irmã, que morava ali pertinho. Cheguei lá toda esbaforida, dizendo que a panela ia explodir. 

Voltamos correndo para a minha casa, e ela, calmamente, entrou na área de serviço, onde ficava a famosa casinha do botijão, e desligou o gás. Eu me achei uma perfeita idiota por não ter pensado naquilo antes, mas o pânico embota o raciocínio. Depois que o chiado parou, fomos até a cozinha e abrimos a panela. A sopa ainda estava crua, mas a minha maior preocupação, seria ter que limpar a cozinha toda àquela hora da noite - já passava das nove. Minha irmã foi embora, deixando a diversão todinha para mim.

Depois de tudo limpo, coloquei a panela no fogo para terminar de cozinhar a sopa. Sem a tampa, é claro. Mesmo assim, fiquei olhando para ela desconfiada; e se de repente ela pegasse a tampa e se tampasse sozinha, só para me assustar? O estresse foi tão grande, que fui dormir com fome; não comi a sopa. Aliás, ninguém comeu. Ela acabou virando comida de cachorro.



Depois de casada, também tive alguns eventos desagradáveis com panelas de pressão, mas já mais experiente, mostrei a elas quem é que manda. Corajosamente, atravessei a cozinha, cheguei ao fogão e apaguei o fogo. Elas ficaram lá, chiando e reclamando até se conformarem.

Panelas de pressão são temperamentais, mas além de pouparem gaz e acelerarem o cozimento dos alimentos, também fazem coisas maravilhosas; quem nunca cozinhou uma lata de leite condensado, não sabe qual é o melhor doce de leite do mundo! Mas cuidado (quase posso ouvir minha mãe dizendo isso): Não abra a lata enquanto ela estiver quente, ou o doce vai espirrar em seu rosto e causar queimaduras sérias!

É esperar pacientemente até que a lata esfrie e você possa desfrutar dessa coisa deliciosamente engordativa.




5 comentários:

  1. rssss, corajosa, hein? Sou apavorada, ligo e me mando. Para desligar volto agachada, parecendo um soldado em missão de guerra... como se fosse adiantar! Minha mãe teve uma empregada que foi parar sentada no degrau da cozinha com os cabelos de pé e as sobrancelhas queimadas...O trauma passou pra mim.

    beijo.

    ResponderExcluir
  2. A panela de pressao da casa de minha avo uma vez explodiu, o teto era de laje, e so ficou cheio de feijao, a cozinha toda ficou cheia de feijao... hj em dia existem panelas mais modernas em que se programa o tempo com segurança... é a modernidade tirando o medo das pessoas...

    Beijos...

    ResponderExcluir
  3. Boa noite querida Ana!
    "O pânico embota o racicínio"... perfeito!
    Tenho cuidado com a tal panela e a uso muito pouco...
    Bjm muito fraterno

    ResponderExcluir
  4. Ri com o seu conto, Ana, já passei apuro com panela de pressão, na época que comecei a cozinhar soja. A pelinha entupiu a válvula, a panela subiu, bateu na laje e afundou meu fogão. Conclusão: não fiz mais soja...
    Você está certa, não há doce de leite melhor, que o leite condensado cozido na pressão!
    Felizes dias, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  5. rs... Ana, já passei cada uma com panelas de pressão...
    Adorei, parabéns!

    ResponderExcluir

Sinta-se em casa para deixar um comentário, por favor. Espero que tenha gostado. Obrigada pela visita!