quarta-feira, 22 de junho de 2016

Uma Caixa Onde Vivemos






Hoje em dia, a vida é tão corrida que a maioria das pessoas só vai em casa para dormir e / ou fazer alguma refeição. A casa nada representa, a não ser uma caixa de guardar pessoas adormecidas ou cansadas demais para olharem em volta ou se importarem com ela. 

Você já entrou em uma casa sem alma? É mais ou menos assim: parece que as coisas foram colocadas ao acaso em qualquer lugar. Não há fotografias, ou vasos de flores e plantas. Não há tapetes, e se houver algum, estará velho, gasto e muitas vezes, sujo. As paredes parecem terem sido pintadas apenas quando a casa foi construída. Não há cores. Abundam os pisos frios. 

Sobre as cadeiras, mesas e móveis, pilhas de tranqueiras e objetos quebrados que jamais serão consertados, roupas velhas e coisas que ninguém mais usa. Uma vez, entrei em uma casa na qual a pessoa mantinha dois computadores antigos e ultrapassados,  quebrados,  dentro do quarto! Porém, muito mais do que tudo isso, é aquela sensação que nos dá ao entrarmos: vontade de sair correndo. Um peso inexplicável nos ombros, total falta de aconchego. Parece que estamos em um lugar abandonado que alguém ocupou sem permissão, instalando-se como pôde, porque a qualquer momento, o dono da casa vai chegar e expulsar todo mundo.

A casa não pode ser apenas uma caixa onde vivemos! É nela que descansamos, passamos tempo com a família, sonhamos, planejamos o futuro, estudamos, lemos, dormimos, comemos, crescemos, envelhecemos. Ela precisa significar alguma coisa. Ela precisa ser como um templo, e dar ao morador a sensação de aconchego. Por mais simples que seja uma casa, é sempre possível cuidar dela, mantê-la limpa, colocar um galho verde e uma flor em um vasinho feito de garrafa usada, e encontrar maneiras de fazer com que as pessoas sintam-se bem dentro dela.

Pense: como anda a sua casa? A resposta pode abranger também uma outra questão: como anda a sua vida?

Será que você não precisa trabalhar um pouco menos e ter tempo para cuidar de si, da casa, da família e fazer coisas que vem adiando por falta de tempo? Será que não existe, perto de você, um animal de estimação triste e solitário, negligenciado, querendo brincar? Quantos livros você separou para ler e jamais começou? Como vão as crianças na escola? 

Como vai você?



quinta-feira, 16 de junho de 2016

FRIO...

A ilustração nada tem a ver com o texto, mas achei bonita...





Eu olho para fora; é cedinho, antes das seis. A paisagem está toda coberta por uma camada densa - e ao mesmo tempo, suave - de branco. Neblina. Frio. As folhas do cipreste gotejam. Na varanda, o termômetro marca cinco graus. Muitos detestam. Eu, adoro!

Trabalhar é mais fácil, pois não fico cansada e não suo. Detesto suar. Detesto tomar um banho e estar coberta de suor dez minutos após vestir a roupa. No inverno, fico cheirosa e limpa o dia todo. Durmo bem, faço minhas caminhadas com mais disposição e como muito bem, acompanhando a refeição com uma taça de vinho. Coisa boa!

Troco as capas coloridas das almofadas por outras mais felpudas, quentinhas e de cores mais neutras. Coloco os cobertores e mantas ao sol, e depois os deixo sobre os pufes, camas e poltronas. Coloco os agasalhos para arejar, e tiro meus cachecóis e lenços das gavetas, usando um diferente a cada dia. Amo!

Hoje eu acho que vou fazer meu chocolate quente. Um de meus alunos (e amigo), o Marcelo, adora quando eu faço. Eu uso bastante chocolate em pó meio-amargo, uma lata de leite condensado, duas de leite em pó diluido em água, uma de creme de leite (que coloco depois que o chocolate está pronto, e baixo o fogo para só aquecer). Segredinho: duas colheres de sopa de pó para flan sabor chocolate, acrescentadas junto com o chocolate em pó, que deixa o tudo mais cremosinho...


No meio da tarde, entre as aulas, tomo a minha xícara de chá verde bem quentinho. Adoro o inverno, e olha que ele ainda nem chegou de verdade... estamos no outono ainda. Deixo para escancarar as janelas entre o meio-dia e as três da tarde, fechando tudo depois para que a casa fique aquecida. Nos finais de semana, acendemos a lareira. Bom demais.




quinta-feira, 9 de junho de 2016

Morei Aqui

Eu amava a arquitetura desta casa, que foi construída no início dos anos 50. Infelizmente, os novos proprietários a modificaram e descaracterizaram completamente. Subiram um outro andar, acabaram com os tijolinhos e com a varanda. Hoje, ela é uma casa totalmente diferente; perdeu seu estilo.

Mexendo em gavetas, encontrei algumas fotos antigas e resgatei um pouco da minha história. 

Eu já morei nesta casa. Foi sete anos após termos nos casado. Esta foi a primeira casa que compramos, e que eu pude, finalmente, chamar de minha. Moramos nela durante sete anos, fomos felizes e infelizes, tivemos momentos ótimos e outros nem tanto... ela tornou-se uma parte importante da minha vida. 

Nunca me esquecerei do primeiro dia, a primeira manhã que despertei nela: estava frio, e quando abri os olhos, mal pude acreditar que estava acordada; parecia um sonho! Enquanto meu marido dormia, eu me levantei, fui preparar o café e comecei a andar pela casa - ainda havia caixas cheias de objetos na sala de jantar - e no silêncio daquela manhã, tomei posse da casa pela primeira vez. Percorri cada cômodo, e o cheiro de café misturado ao cheiro do sinteco novo é algo de que nunca me esqueço. Foi um dos dias mais felizes para mim.



Este canteirinho ficava sob a casa, que tinha um espaço vazio por baixo da varanda. Criamos este canteiro para preenchê-lo.

Era uma casa peculiar: nos meses de maio, junho, julho e agôsto, até meados de setembro, ela não recebia sol no jardim, apenas no telhado. Era uma casa fria, e precisávamos espalhar muitos anti-mofo nos armários, que precisavam ser arejados todos os dias. Mas a partir de setembro, até meados de abril, era tanto sol, que às seis da tarde, a parede do nosso quarto, dentro de casa, estava iluminada por ele. 

O quintal dos fundos era bem pequeno - uma faixa de cimento - e tão privado, que alguém poderia tomar sol totalmente nu, sem o risco de ser visto. Confesso que fiz isto algumas vezes: ligava o aparelho de som, e lá ia eu, tomar sol.

Era uma casa prática, pois era toda térrea e muito fácil de limpar. A sala de estar era enorme e conjugada à sala de jantar, que também era muito grande. Tínhamos dois quartos: um pequeno e um grande, e o banheiro, que reformamos quando já estávamos morando, era um dos banheiros mais bonitos que eu já vi. Pena que não tive a ideia de fotografá-lo também! Era todo azul, e o piso era de azulejo quadriculado de piscina. Parecia que estávamos dentro de uma enorme piscina azul, e uma das paredes era toda espelhada. Nunca vi um banheiro mais bonito.

A cozinha não era lá grande coisa, mas conseguimos torná-la aconchegante. O maior problema da casa, eram as aranhas... passamos alguns anos lutando contra elas, até que, finalmente, pusemos telas nas janelas dos fundos, e elas diminuiram. Mas era um tal de encontrá-las sob toalhas, nas paredes, debaixo de sofás... e a cada vez, um grito. Eram enormes e peludas. Não sei como eu consegui ficar tanto tempo na casa. À noite, o ritual era sempre examinar o quarto e as cobertas, para checar se a 'costa estava limpa.'



Este quadradinho de jardim, onde plantei várias roseiras, ficava abaixo da casa, e tinha acesso por uma escadinha de ferro. Passei muitas horas felizes nele, cuidando das plantas, aparando roseiras e brincando com meu falecido Rottweiller, o Aleph.

Um dia, andando pela casa, tive a sensação de que me despedia dela... ainda nem estávamos pensando em ir embora, mas a sensação foi forte e inequívoca: um ano depois, encontramos esta casa onde hoje moramos, e começamos a negociá-la; foi difícil, mas após quase um ano, conseguimos chegar a um acordo. Dois anos e meio após aquela sensação de despedida, nós mudamos para cá.

Lembro-me que eu chorei muito ao voltar lá pela última vez, a fim de pegar alguns objetos e trancar a casa pela última vez. Foi como deixar uma parte de mim para sempre! Hoje, quando passo por lá e vejo o quanto a modificaram - na verdade, a obra ficou boa, mas não existe mais aquela casa dos anos 50 que adorei desde a primeira vez - fico feliz que eu tenha estas fotos.



quinta-feira, 2 de junho de 2016

Doçura

Orquídeas que coloquei em uma árvore no jardim


Às vezes a gente perde o rumo da própria alma. São tantas disputas, tantas notícias ruins (e tantas notícias falsas sendo publicadas e compartilhadas na internet), que a gente acaba perdendo o prumo. Nada como uma dose de natureza para fazer as coisas voltarem aos eixos.

Um amigo que sempre aparece por aqui, e traz muitos outros com ele

Abro a porta para conduzir minha aluna até o portão ao final da aula. Estava chovendo, e as gotinhas d'água penduradas no cedro brilhavam, porque também estava sol. Uma claridade linda e alegre. passarinhos e beija-flores voavam de um lado para outro, e pareciam estar brincando.

A paisagem que vimos assim que chegamos à varanda

Um momento tão bonito e tão doce, que paramos na varanda para contemplá-lo um pouquinho. Depois que minha aluna foi embora, peghuei o celular e bati estas fotos - humildes imagens, mas eu quis retratar um pouco do que eu estava vendo naquele momento.

Uma luz bonita - sol com chuva

O ar estava frio, e parecia haver uma energia vibrando. Alguma coisa muito boa. E acho que não era só eu que a estava sentindo, pois os passarinhos cantavam e voavam sem parar.

A montanha coberta pela névoa

Ah, e aquela luz... todas as coisas estavam envolvidas por ela... apesar do céu encoberto e da chuva, tudo estava brilhando e pulsando. Uma manhã mágica... valeu a pena.