terça-feira, 23 de agosto de 2016

VIDRAÇAS - UMA REFLEXÃO










Se existe uma coisa que eu não gosto de fazer em uma casa - além de passar as roupas - é limpar as vidraças. Costumo evitar este aborrecimento até o momento em que começo a envergonhar-me de abrir as cortinas. Aqui em casa há muitas vidraças para serem limpas, e pode levar mais de duas horas para limpar todas elas. 

Considero as tarefas que não apreciamos como uma forma de disciplina. Todo mundo tem que fazer coisas das quais não gosta. É impossível viver fazendo apenas o que nos dá prazer. E se não houvesse quem desse cabo das tarefas desagradáveis, como seria o mundo? Imaginem só o que aconteceria se ninguém recolhesse o lixo, ou capinasse as ruas? São tarefas difíceis que exigem esforço físico, e que precisam ser executadas com regularidade, muitas vezes sob o calor forte do sol ou sob os pingos gelados da chuva. As pessoas que são responsáveis por elas, na minha opinião, deveriam ser muito bem pagas. Infelizmente, não é isso que acontece. 

As pessoas apenas valorizam as profissões que tem a ver com passar anos e anos em uma faculdade, e depois, em cursos de especialização, pós-graduação e mais especializações após um certo período de tempo. Outras tarefas são consideradas menos importantes. Fico pensando se algum dia, todos os tipos de trabalho serão considerados igualmente importantes. Quando este dia chegar, será também o dia em que todas as pessoas serão consideradas igualmente importantes.





segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Quando Estou Longe






Às vezes, se fico muito tempo longe, sinto falta do cheiro da minha casa, das cores das paredes, das plantas no jardim. Fico pensando naquele livro que eu estou lendo, e que esqueci de colocar na mala; penso nos meus cães - será que estão sendo bem cuidados? Sentem saudades? - e também fico preocupada se minhas plantinhas estão sendo regadas. 

Entre um momento de diversão e outro, entre um descanso e outro, quando eu estou longe de casa eu fecho os olhos e penso nos sons dos meus sinos de vento, e de manhã cedinho, no canto dos passarinhos na árvore que fica à janela do meu quarto. Penso em seus galhos verdinhos quase batendo no vidro, e me pergunto se alguém se lembrou de trocar a comida dos pássaros no comedouro, e a água dos beija-flores.

Bem no meio de um passeio, eu de repente me pego pensando que o lugar mais lindo do mundo fica num quadradinho cercado por um muro de hera, com um gramado cheio de falhas devido às brincadeiras dos cães de correr atrás das bolinhas e sairem derrapando, arrancando tufos de grama. E como eu sinto saudades de mexer em minhas panelas na cozinha, colocar as coisas todas em ordem, varrer as folhas secas do quintal e deitar-me na rede da varanda!

E quando estou de volta, a casa me espera, como uma velha amiga que eu deixei para trás, mas que nunca me esqueceu, e de quem eu nunca me esqueci, e ela me recebe sem julgamentos, sem cobranças - apesar da poeira que descansa pacientemente sobre os móveis e objetos - e de braços bem abertos. 

Se eu não voltasse, o que seria dela? Aos poucos, se deterioraria; o jardim transformar-se-ia em um matagal disforme, impenetrável e temível, talvez criadouro de cobras e aranhas; as paredes descascariam as cores, as cobertas e roupas ficariam mofadas, e os passarinhos não mais voltariam, pois não mais teriam para quem cantar. Se eu não voltasse, a casa deixaria de ser um lar. Quem sabe, em anos, alguém poderia abrir suas portas e perguntar a si mesmo; "Quem morou aqui?" E através dos restos mortais do que encontrasse, tentaria reconstruir a história da minha casa, e através dela, a minha história.





terça-feira, 9 de agosto de 2016

Atenção







Vocês já reparou o que acontece quando negligenciamos a conservação e a limpeza de uma casa? Logo, logo, as coisas começam a falhar: os canos entopem, o reboco cai, as madeiras apodrecem. É muito desagradável ficar em um ambiente assim, onde tudo parece caótico e coberto de sujeira. 
Muitas vezes, negligenciamos também uma coisa muito importante: o nosso espírito. A nossa alma. 

Você reza? Tem alguma fé? Não, não falo de religão, pois ter uma religião não significa, necessáriamente, ter fé verdadeira ou ser uma boa pessoa. Eu estou falando de fé na vida, em você mesmo, em um santo, ou em qualquer coisa que sirva de estímulo. Todo mundo precisa ter um lugar para onde correr quando as coisas dão errado - e elas sempre dão errado uma vez ou outra. E rezar não é apenas dizer palavras decoradas enquanto  pensa no que vai fazer para o almoço, ou na ida ao shopping center. Rezar é abrir a alma para algo maior que a gente, e conversar, pedir orientação, agradecer.


Agradecer.


A gente vive negligenciando também a necessidade de agradecer pelas coisas que temos: água nas torneiras, comida sobre a mesa, roupas, abrigo, amigos, família, acesso à cultura, saúde e tantas outras coisas que são muito importantes na vida, mas que só sentimos a sua falta quando elas se vão. 

Eu acho melhor a gente prestar atenção. De nada dianta querer recuperar algo que perdemos porque desvalorizamos, negligenciamos, fizemos POUCO CASO. 

Às vezes, sentimos falta de alguém que se afastou, mas nos esquecemos de perguntar o que causou tal afastamento. Culpamos a pessoa que está distante, chamando-a de orgulhosa ou indiferente, mas raramente paramos para examinar o que fez com que tal pessoa preferisse se distanciar de nós. 

Não prestamos atenção. Não agradecemos. Nos esquecemos da gentileza, do respeito, do carinho e do amor. valorizamos coisas que não são realmente importantes, enquanto chutamos para escanteio as coisas vitais. 

Até que a vida escuta e compreende, e deixa de insistir. Perdemos para sempre algo valoroso, porque não prestamos atenção. E voltar por um caminho que ficou coberto de capim e dejetos pode ser muito difícil- muitas vezes, impossível.