terça-feira, 22 de novembro de 2016

Farelos nos Cotovelos




Quando a gente se casa com alguém – dizem – é que passamos a conhece-lo realmente. Viver juntos na mesma casa deixam expostas todas as manias, fraquezas, medos, dúvidas, qualidades e defeitos. Acho que isso é verdade, embora tenha conhecido casais que viveram juntos uma vida inteira sem sequer atinarem para a verdadeira personalidade do cônjuge. Passaram uns pelos outros sem realmente se olharem.

Já ouvi falar de casais que se separaram por detalhes bobos, como a pasta de dentes espremida pelo meio do tubo, a tampa do vaso sanitário ‘batizada’ ou levantada, as marcas de pés enlameados no assoalho recém-encerado, os roncos noturnos, os cabelos caídos na pia, a cara sem maquiagem ou cheia de creme pela manhã. Mas eu penso que estes motivos são apenas desculpas para o motivo real das separações: faltou amor. Faltou paciência, tolerância, e acima de tudo, diálogo. Talvez, a compreensão de que ninguém é perfeito.

Viver juntos significa dividir espaços,  respeitar os espaços e os gostos do outro e os momentos nos quais ele precisa estar só.

Porém, para certas coisas, nem todo o diálogo do mundo terá sido suficiente. Por exemplo: meu marido tinha a mania de cortar pão sobre a toalha de mesa, o que me deixava sempre irritada. Eu detestava sentar-me à mesa para o café da manhã (levanto-me muito mais cedo que ele, pois começo a trabalhar às sete, e tomo café da manhã sozinha) e sentir os farelos sob o antebraço, ou vê-los grudados nas mangas das minhas roupas. Depois de pedir, implorar, discutir e brigar, desisti; não havia jeito de fazer com que ele se lembrasse de colocar um prato sob o pão antes de cortá-lo. 

Certa vez, enquanto ele começava a cortar o pão, eu mais que depressa pus o prato sob ele, e meu marido – muito sem graça – passou a limpar com a mão os farelos que tinham caído sobre a toalha antes ... jogando-os, com a cara mais inocente do mundo, no chão da cozinha! Percebi que ele tinha tentado encontrar uma solução rápida e desajeitada para seu problema, e ao invés de ficar brava, comecei a rir. Ele pegou a vassoura e passou a varrê-los.

A partir daquele dia, ele não apenas começou a lembrar-se de colocar o prato sob o pão antes de cortá-lo mais frequentemente (às vezes, ele ainda se esquece), mas também passei a não dar mais tanta importância quando os farelos ficam grudados na minha roupa; ao invés disso, lembro-me daquele dia e começo a rir. Confesso que, quando ergo os braços da mesa e não encontro nenhum farelinho sequer, sinto falta, e penso naquele dia com carinho.

Há tantas coisas boas que ele faz para mim e para nós, e farelos de pão não serão mais motivos suficientes para que comecemos uma discussão. Mas só a maturidade traz este entendimento, e a maioria dos casais separam-se antes disso. 





segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Natal Com Crise






🌝



Todo ano é sempre a mesma coisa: fechamos nossos olhos, e quando os abrimos novamente, vemos uma loja com decoração de natal, e daí pensamos: "Nossa, como o ano passou rápido!"

Apesar da crise, não posso dizer que este ano tenha sido ruim para mim. Poderia ter sido melhor, mas dentro do contexto atual do país - e do mundo - até que não foi ruim. Porém, ele foi ruim para uma porção de gente que perdeu seus empregos, e eu sinto muito por todos eles. Deve ser horrível ter esse caminho longo em frente, quando não sabemos o que fazer para abastecer os tanques para poder seguir adiante. Há famílias passando necessidades. Há pais desempregados, se perguntando o que farão para sustentar seus filhos. 

Mas creio que as coisas vão melhorar no próximo ano. Precisamos dar um crédito ao novo governo ao invés de ficarmos torcendo para que dê tudo errado. 

Mas com crise ou sem crise, logo será natal. Todo mundo tem em casa a árvore de natal com os enfeites antigos, e não custa nada arrumá-la bem bonita e colocá-la em um lugar de destaque da casa. Acho que ela é um sinal de esperança e fé. Não podemos jamais perder a fé em nós mesmos. E se não houver dinheiro para os presentes, podemos escrever cartinhas, desenhar cartões, fazer uma fornada de biscoitos e decorá-los para dar de presente. E se não tivermos uma roupa nova para a noite de natal, podemos pegar as antigas e lavá-las e passá-las bem, acrescentando um lenço colorido, um cinto ou uma bijuteria. Quem tiver habilidades, poderá bordar alguma coisa, quem sabe...

No lugar do amigo oculto, podemos brincar de outra coisa, como um jogo que possa divertir a todos e tornar a noite mais alegre. Acho que a noite de natal não deve ser deixada de lado.

Em 2012, minha mãe estava em coma no hospital. Foi um natal muito triste para mim, sem comemorações - eu nem aceitei convites, pois minha tristeza poderia contaminar a alegria das outras pessoas. Fiquei em casa. Mas montei minha árvore de natal, e fiz minhas orações como sempre faço. Na noite de ano novo, eu estava mais triste do que nunca, e logo de manhã, recebi a notícia de que ela tinha morrido. Mesmo assim, não consigo pensar nas festas de final de ano como ocasiões tristes. 

Faltam algumas pessoas à mesa - minha mãe, meu pai, meu sobrinho. Amigos de infância. Mas eu ainda estou sentada à mesa, e também meu marido e todas as pessoas que ainda estão por aqui. E existem centenas de motivos pelos quais eu devo ser grata; para começar, agradeço porque há uma mesa. Porque há pessoas. Não estamos passando fome, nem frio. E estamos juntos.


quinta-feira, 10 de novembro de 2016

PRA LÁ DO MEIO DA ESTRADA






Dizem que quem passou dos quarenta está na meia idade. Pode ser, pois hoje em dia, alguém com 40 anos chega a viver além dos oitenta com saúde e disposição; mas, aos 51, estamos virando o Cabo da Boa Esperança – alguém aí conhece quem tenha 102 anos? Meia idade é metade da vida, e já estou além. Pra lá do meio da estrada.

Eu olho tudo o que está acontecendo no mundo hoje em dia, e penso nos momentos em que estou dedicada a uma intensa faxina da casa: as coisas fora dos seus lugares, panos e esfregões espalhados pela casa, garrafas de desinfetante, cera líquida e lustra móveis pelos cantos. A poeira por trás dos móveis aparece, e insetos mortos e secos parecem embalados por ela. Pode ser que baratas e demais insetos, sentindo-se desalojados, passem a correr pela casa, espalhando pânico e desejando manter seus esconderijos.

 A casa está em seu momento mais caótico, e se chegar uma visita, provavelmente não terá onde sentar-se. 

Mas quando a faxina termina, parece que a casa ganha vida nova: as coisas limpas, perfumadas e em seus lugares. Dá gosto andar pelos cômodos e pensar: “eu que fiz,” e imaginar desfrutar de tudo com a pessoa amada.

O mundo está num estado caótico. Acho que estamos vivendo momentos de transição. Vemos coisas acontecendo das quais até Deus duvida (e acho que Ele deve estar apavorado com as coisas que andam acontecendo por aqui). E o que torna tudo ainda mais difícil, é a não aceitação de tais transições por pessoas que desejam manter tudo como está, indo contra o bom senso. Ao invés de analisarem tudo sob uma nova ótica, continuam usando a velha (ca)ótica de sempre, indo contra tudo, sendo contra tudo, não importa o quanto as mudanças sejam necessárias – o que prevalece para estas pessoas é o orgulho ferido, a vingança, a incitação ao ódio, a incoerência. 

Eu prefiro ver essa bagunça como uma fase necessária, antes que a casa fiquei limpa e arrumada. Gosto de dar uma chance aos acontecimentos antes de ir contra eles. Nem sempre as minhas escolhas e preferências são as escolhas e preferências da maioria, e quando isso acontece, devo respeitar os fatos, sem torcer contra, sem querer que dê tudo errado, sem espalhar pânico, boatos e maledicências. As bestas do Apocalipse estão soltas, e correm pelo mundo, nascendo das linhas de blogs, sites e jornais, no formato de crônicas inflamadas e muitas vezes, mentirosas.

Eu já tenho mais que a metade do meu caminho andado. E quando eu paro para pensar, dou graças a Deus por isso. Tenho pena dos que estão chegando agora, e que serão adultos daqui a alguns anos. Sinto muita pena por essa idiotice que grassa por todo o planeta, pelos jovens que são manipulados como marionetes pelas mãos egoístas de quem só quer ver o circo pegar fogo a fim de defenderem seus interesses pessoais.

Tenho horror ao discurso pronto e repetitivo que sai de suas bocas quando eles cometem o sacrilégio de abri-las e dizerem o que os outros pensaram por eles. Causam-me asco os clichés incansavelmente repetidos, que nem fazem mais sentido, que não se encaixam mais em lugar nenhum. 

Espero que eu esteja certa, e que esta bagunça seja apenas uma fase de transição, e que logo as coisas se ajeitem e as pessoas se acalmem. De qualquer forma, não estarei aqui para ver como tudo ficará, e ao olhar em volta, dou graças por isso.