sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Amar a Chuva




Eu estava cansada, e com muito calor: tinha acabado de fazer várias coisinhas na casa - todo mundo sabe que quando se trata de casa, uma coisinha leva à outra, e quando a gente vê, já se passaram várias horas. O céu de repente ficou escuro, e começou a ventar.

A fim de me refrescar, fui para a varanda. E começou a chover forte.

Não hesitei: corri lá para o gramado, e fiquei debaixo da chuva!

E como foi bom! Senti a chuva me encharcando aos poucos, até que a camiseta colou na pele. Tirei os chinelos, ficando descalça, os fios de grama entre os dedos. Olhei para cima, e vi as gotas que caíam das folhinhas do cipreste. Há tempos não me sentia tão viva.

E foi então que uma coisa engraçada começou a acontecer: de repente, não era mais eu; éramos nós. Tudo era eu, eu era tudo. Não durou muito tempo, quem sabe, uns cinco ou dez minutos - perdi a noção do tempo. Mas eu tive um momento especial, e me lembrei quando algo semelhante me aconteceu quando eu ainda era uma adolescente, num final de tarde, após uma chuvarada de verão.

Nem preciso mencionar aqui o quanto eu me senti mais leve...

Recomendo a quem for: tire as sandálias e vá para a chuva! É grátis, refrescante e inexplicável. Só tentando para saber. 




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sinta-se em casa para deixar um comentário, por favor. Espero que tenha gostado. Obrigada pela visita!