terça-feira, 13 de junho de 2017

Na Casa da Gente, na Mente da Gente







A vida da gente deveria ser exatamente como a casa da gente: só entra o que a gente gosta. Mas como precisamos ter os olhos abertos, a vida da gente acaba cheia de coisas que não gostaríamos de ver; e quando percebemos, é tarde: já vimos!

Como lidar com as coisas que entram assim na vida da gente, pela janela? Algumas delas precisamos enxotar. Mas não sem antes dar uma boa olhada, porque se entrou, talvez tenha sido necessário entrar. Já repararam que a gente aprende muito mais através dos acontecimentos ruins do que dos acontecimentos bons? Pois é. 

De repente, escutamos algo - uma indireta, um comentário maldoso, ou então somos vítimas de um olhar atravessado ou de uma indiferença inesperada. Na hora, podemos não dar tanta importância, mas quando estamos sós, começamos a pensar naquilo e a nos indagar: por que? E esses pensamentos tristes ficam ali, contaminando tudo, e nos tornamos mau humorados sem nem sabermos direito o motivo.

Alguém me disse que é muito mais fácil ficar lembrando do que foi ruim, prestando atenção às injúrias que nos fazem, do que se concentrar em coisas boas. Acredito que seja verdade, e que haja um bom motivo para isso: é que ninguém está aqui apenas a passeio. As coisas ruins acontecem para que nós aprendamos através delas a ter mais serenidade. Só se valoriza a paz conhecendo o desespero. Essa felicidade imaculada de Facebook não existe. E se existisse, seria absurdamente chata.





A casa da gente precisa ser limpa de vez em quando. Para isso, precisamos colocar a mão na massa: mover móveis pesados de seus lugares, aspirar, tirar o pó, passar pano úmido... dá trabalho. Da mesma forma, dá trabalho limparmos as nossas vidas do que é ruim e sujo, e só conseguiremos fazer isso se olharmos para a sujeira também. 

Quem limpa a casa de olhos fechados acaba deixando muita sujeira espalhada. É preciso abrir bem os olhos. Pode ser que, ao terminarmos, nós estejamos sujos e suados. Então, vamos tomar um bom banho e descansar. 

De vez em quando, eu olho para  a minha vida (geralmente, quando começo a me sentir incomodada com alguma coisa, ou pesada e entediada) e começo a fazer uma boa limpeza nos meus pensamentos, sentimentos, lembranças, e até mesmo em pessoas cujo único objetivo é me colocar para baixo. Para isso, vale até um ritual:

Escrevo em um papel tudo o que está me incomodando, e penso bastante no porquê de estas coisas estarem me incomodando. Tento entender por que permiti que elas entrassem, e por que elas estão ali até agora. Depois, me imagino tirando essas coisas que me incomodam da minha vida. Acendo uma vela, ou um incenso, mentalizando que elas estão desaparecendo. Finalmente, queimo o papel onde as escrevi.

De vez em quando, eu preciso fazer isso. Logo depois, é como se tivesse tirado um peso enorme dos ombros.





4 comentários:

  1. Ola querida,
    Sempre é bom diminuir os fardos.
    Assim podemos olhas as flores
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Pois é amiga! Chega o momento em que necessário se faz partirmos para uma seleção e descartarmos tudo aquilo de ruim.

    Com relação ao trecho que diz: Já repararam que a gente aprende muito mais através dos acontecimentos ruins do que dos acontecimentos bons? Após sua leitura lembrei-me de uma baboseira que diz o seguinte: “Na vida a gente sempre ganha. Quando ganha, aperfeiçoa o aprendizado para ganhar mais, e quando perde, aprende o porquê da perda para não perder mais, e recuperar o que perdeu.”

    Abraços,

    Furtado

    ResponderExcluir
  3. Interessante esse seu método, de vez em quando faço uma faxina até no computador. Removo o que não presta, ando pela casa junto outras tantas que estão ocupando apenas espaço, como pessoas também ocupam apenas espaços.
    Só não sei se entendi muito bem isso:
    " Essa felicidade imaculada de Facebook não existe. E se existisse, seria absurdamente chata."
    Felicidade imaculada? Tem alguém que acha isso? rss Te pergunto exatamente porque não tenho Face. Glória a Deus!
    bj

    ResponderExcluir
  4. Querida Ana, como seria bom que a nossa vida fosse como nossa casa só entrasse quem permitíssemos. Por exemplo, entro um tal de um rematismo em mim, muito sofrer. kkk Amei sua postagem, parabéns sempre bem escrita.
    Abraços, um anoitecer feliz e um amanhecer para um início de semana de muita paz e saúde. bjuss

    ResponderExcluir

Sinta-se em casa para deixar um comentário, por favor. Espero que tenha gostado. Obrigada pela visita!