terça-feira, 6 de junho de 2017

NEVERLAND





“Mesmo em casa me sinto sozinho. Às vezes sento no meu quarto e choro. É tão difícil fazer amizades, e há coisas que não se pode falar com seus pais. Às vezes ando pela vizinhança durante a noite, esperando encontrar alguém pra conversar, mas sempre acabo voltando pra casa.” 
― Michael Jackson

Este pensamento de Michael Jackson foi pescado por mim na internet. Procurava sobre algo em que eu pudesse me inspirar para escrever uma postagem. - Pensamentos sobre casas. E deparei com essa confissão tão pungente, tão triste...





Não sei a verdade sobre este grande artista pop - alguns dizem que ele era excêntrico e tinha gostos estranhos, mas eu tenho cá as minhas desconfianças... na verdade, muitas vezes pensamos que sabemos tudo a respeito de alguém, quando não sabemos nem o que se encontra na superfície das pessoas. Basta uma palavra amarga e maldosa dirigida a alguém, em voz alta, acompanhada de um dedo em riste, e teremos milhares de pessoas acreditando no que foi dito, quer seja verdade, quer não. E ninguém pára a fim de pensar no quanto o ato de levantar uma suspeita ou dar um falso testemunho, pode prejudicar, para sempre, a vida de alguém. 

Todos nós nos sentimos sozinhos, às vezes; todos temos dificuldades na vida, e sentimos vontade de voltar para casa e nos esconder do mundo após nossas decepções. E a casa, silenciosa e sem julgamentos, nos acolhe e ampara. Zela pelo nosso sono, protege nossos corpos, abriga nossas dores. A casa pode ser nossa melhor amiga. Ela perdoa nossos erros, e sabe toda a verdade sobre nós. E por pior que essa verdade seja, ela a protege entre suas paredes da curiosidade e do julgamento alheio. 

Acho que só a casa nos conhece realmente, pois ela nos vê como realmente somos: diante do espelho, os ventres relaxados, sem tentar esconder protuberâncias; de manhã, despenteados, com mau-hálito e pijamas antigos e gastos; sentados nos nossos sofás, totalmente relaxados, quem sabe, fazendo coisas que jamais faríamos na presença de alguém, como coçar certos lugares ou mexer nos nossos narizes. Ela nos assiste em silêncio quando estamos sentados no vaso sanitário, livrando-nos de nossos despojos. Ela nos vê chorar de frustração. Ela nos escuta quando dizemos, em voz alta, nossos verdadeiros pensamentos a respeito de certas pessoas que nos cercam e a quem, por circunstâncias especiais ou necessidade de convivência, precisamos tratar bem, ignorando comentários maldosos. 

E foi isso que Michael Jackson descobriu.  Foi por isso que ele transformou sua casa em Neverland - o reino mágico, a Terra do Nunca, onde a vida poderia ser sempre bela e cheia de surpresas agradáveis. O lugar onde ele jamais precisaria crescer. E era para  casa que ele voltava quando as exigências e formalidades do mundo dos adultos o perseguiam. Quando ele não conseguia encontrar uma viva alma que pudesse ser verdadeira e olhar para ele e enxergá-lo, não como o Michael Jackson Rei do Pop, mas como o menino que precisava de alguém com quem conversar, e nunca encontrava. 







Um comentário:

  1. Somos peritos em julgar e isolar as pessoas mais sensíveis...
    Imagino a dor de mesmo em casa, se sentir sozinho, a carência que sempre sentiu, sem nunca ter tido alguém em quem confiar e pelo que parece, nem a fé como suporte...
    É muito doido!!!
    Abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir

Sinta-se em casa para deixar um comentário, por favor. Espero que tenha gostado. Obrigada pela visita!