domingo, 29 de janeiro de 2017

As Plantas e Sua Interação Com as Pessoas



Gosto de ter plantinhas em casa. Além de embelezar e enfeitar, elas deixam a atmosfera mais pacífica. Infelizmente, não tenho muito tempo para dedicar-me a elas como  merecem; porém, mantenho um jardineiro vindo aqui a cada quinze dias, e sempre que posso, vou lá para fora regá-las e apreciá-las. Gosto de ter plantas à janela da sala de estar, enfeitando o peitoril, e frequentemente, troco os vasinhos por novos, que compro em floras ou supermercados. Estas plantas que compramos em vasinhos, recebem adubo em grandes quantidades; é por isso que elas são tão bonitas e floridas. Mas elas entregam, forçadamente, toda a sua energia vital em um curto espaço de tempo devido à adubação exagerada, e por isso, a maioria delas morre em um curto período de tempo.




Se as suas plantinhas estão começando a murchar, observe o seguinte:

-Estou regando demais ou de menos?
-Estou deixando-a tempo demais no sol?
-Estou me esquecendo de colocá-la no sol?
-Será que estou tentando cultivar dentro de casa uma planta que gosta de estar lá fora?
-Falta nutrição?
-Excesso de zelo, ou falta dele?

Costumo juntar pó de café usado, e colocar em meus vasos de plantas. Elas adoram! Também coloco adubo, mas sempre em pequenas quantidades, e apenas uma vez por mês ou menos: olho para a planta, e se achar que ela está precisando, coloco uma colherinha de adubo.


Muitas vezes, por mais que a gente cuide de uma planta, ela começa a murchar ou secar. Quando as plantas adoecem e não reagem aos nossos cuidados, a melhor coisa a se fazer é jogá-las fora. Reaproveito a terra dos vasos para jogar em canteiros. Há várias razões - além das já conhecidas pragas - pelas quais uma planta murcha de repente e morre. O que eu tenho observado, é que elas são extremamente sensíveis às energias que as cercam, e que constantemente, as absorvem. Quem sabe, alguém que visitou sua casa não estava muito bem? Talvez você mesma não esteja com uma energia muito boa, e está passando isso para as plantinhas. Nesse caso, elas servem como pára-raios de más energias, que elas absorvem e neutralizam - mas que acaba por matá-las. Se isso acontecer, elas cumprimaram uma missão, livrando você de algo muito ruim. Agradeça ao invés de se lamentar, e substitua a plantinha morta por outra!




Eu sempre fico triste quando entro em floras ou supermercados onde há plantas murchando, a terra totalmente seca. Afinal, elas são seres vivos e merecem cuidados e atenção! Quando há um bebedouro por perto, eu mesma vou lá, recolho um pouco d'água e jogo nelas. Fico pensando que não custaria nada para quem trabalha nesses locais, cuidar um pouco das plantinhas...



Não tenho plantas dentro de casa, porque nunca consigo cultivá-las por muito tempo. Elas sempre acabam secando e morrendo, ou então, são atacadas por pragas. Prefiro tê-las do lado de fora, plantadas em canteiros ou vasinhos. Dizem que as plantas têm também o poder de despertar as energias, além de combater as negativas; abaixo, uma listinha de plantas e suas propriedades:



Rosas - Elas acompanham nossos ritos de passagem - aniversários, casamentos e outras ocasiões que representam passagens. Já reparou que, ao pensar em presentear alguém com uma flor, a primeira que vem à cabeça, é a rosa?




Lavanda- Além de lindas e perfumadas, elas são relaxantes e combatem o estresse.




Margaridas - Através de sua simplicidade, elas transmitem confiança e afeto. 



Violetas - Dizem que nunca se deve presentear alguém com vasinhos de violeta, pois ao invés de doar energias, elas as absorvem e roubam... será? De qualquer maneira, elas incentivam a humildade e a delicadeza. Bem, se suas violetas - plantas de difícil cultivo - andam morrendo com facilidade, verifique como anda a atmosfera de sua casa!




Girassol - É claro, esta é a planta da alegria e da expansão!




Jasmin - Seu perfume afasta as energias negativas, purifica, alegra e combate o mau-olhado. 




Árvore da Felicidade - É aconselhável ter as duas espécies juntas: macho e fêmea. Elas trazem felicidade e prosperidade à casa e ao casal. 



Alecrim- Vive adoentado? Teha alecrim em casa! Ele oferece a cura. Dizem que em uma casa onde o alecrim não vinga, há problemas sérios.



Manjericão - Além de servir de tempero para vários pratos, o manjericão é a planta da prosperidade. Se estiver precisando de emprego, ou querendo melhorar sua colocação no emprego atual, tome banho com folhas de manjericão e mentalize o que deseja.




Arruda - Todo mundo sabe para que a arruda serve: ela combate a inveja. Provavelmente, sua avó e sua mãe já sabiam disso! Se a arruda morrer, saiba que cumpriu seu papel. 



Hortênsias - Elas ajudam quem estiver desejando cultivar melhor o lado espiritual. Elas promovem a união entre as pessoas, dissolvendo a solidão.




Primaveras- Elas podem ser cultivadas de três maneiras: quando podadas, viram lindos arbustos ou cercas vivas, mas se deixadas ao natural, transformam-se em árvores frondosas e muito floridas. Plantadas sobre o muro ou portão de uma casa, são excelentes escudos contra ladrões e energias negativas. 




Antúrios - Através de seu formato, invocam a energia masculina. Se quiser apimentar a vida sexual, plante-os em casa! Também são excelentes para escritórios e lojas. 




Hibiscos - A primeira imagem que me veio à cabeça ao mencioná-los, foram aqueles filmes antigos de Elvis Presley, filmados no Hawaii. Plantas exóticas com flores grandes, coloridas e sensuais. Estimulam o amor e a paixão, o romantismo e os relacionamentos amorosos. 



Azaléias - em várias cores e formatos, essas lindas flores são ótimas auxiliares para quem está passando por momentos difíceis de luto e perda, pois ajudam muito a alegrar o ambiente. Trazem consolo, conforto, aconchego e segurança. 



Comigo-ninguém-pode - São muito venenosas, portanto, cuidado! A grande vantagem no cultivo dessas belas folhagens, é que elas combatem e neutralizam energias negativas, inveja e maledicência. Boas para serem cultivadas junto ao portão de casa, ou em vasos à porta de estabelecimentos comerciais. 




As árvores frutíferas, além de alegrarem a casa ao atrair pássaros e borboletas, transmitem a energia da abundância e da fartura. Existem espécies que crescem rapidamente, como as pitangueiras, bananeiras e laranjeiras.




Escolha a sua plantinha, e mãos à obra!










segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Menos é Mais; É Mesmo?








Assistindo a um reality show, fiquei sabendo das peripécias de uma família americana de classe média alta (pais e dois filhos adolescentes) que trocou sua residência - uma casa grande, confortável e muito bonita, em um bairro residencial muito bom - por uma cabana de dois cômodos próxima a um lago. O local escolhido era bonito e bucólico, mas um pouco longe da chamada 'civilização.' 

Durante o programa, enquanto a cabana era construída com materiais recicláveis e madeira certificada, as pessoas tinham que escolher o que levar e o que deixar. A maioria de seus pertences teve que ser vendida, doada ou levada para um depósito, pois a cabana mal comportaria a família; dirá seus pertences! Notei o quanto foi difícil para os adolescentes livrarem-se de coisas como skates, pranchas de surf, Cds, aparelhos de som e computadores. Um exercício de desapego, sem dúvida, mas um tanto exagerado...

Finalmente, o programa mostra a família totalmente "adaptada" ao novo lar, com seus sorrisos forçados posando para a câmera a fim de darem o exemplo do quanto é bom desapegar-se e levar uma vida mais "sustentável."  Pensei no quanto seria difícil para mim ter que viver em um local tão pequeno, livrando-me dos meus livros, CDs, vinis, objetos que eu adoro, meu jogo de sofás que é tão confortável e outras coisas que possuímos. Se fosse realmente preciso, eu os deixaria para trás sem arrependimentos, mas por que desfazer-me de coisas que amo se não é necessário fazê-lo?

Penso que daqui a alguns anos, teremos que nos livrar de muitas coisas, pois estamos envelhecendo e esta casa é grande demais para um casal de velhos - e ainda tem escadas por dentro e no jardim. Mas a nossa hora ainda não chegou. Enquanto for possível, desfrutaremos das coisas que conseguimos através do  suor do nosso trabalho, e nenhum arquiteto moderninho ou ecologista maluco vai nos convencer do contrário.

É triste, ver o quanto as pessoas se submetem a modismos e exageros a fim de obterem dos outros opiniões favoráveis sobre eles mesmos!




quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Entre Uma Coisa e Outra...




Faz uma coisinha aqui, outra ali... e lá se vai o dia. Mas e daí? O importante, é a gente gostar do que está fazendo. A casa é uma coisa caprichosa: ela demanda que aqueles que cuidam dela tenham uma rotina. Casa triste e mal-cuidada a gente reconhece assim que entra nelas! Um pouquinho que seja de atenção, e ela parece ganhar vida, como se despertasse de um longo sono de abandono!




Eu amo cuidar de casa. Eu amo a minha casa, e tudo o que se relaciona a casas - programas sobre decoração na TV, revistas, objetos e adornos, artigos de cama, mesa e banho. Adoro ganhar paninhos de prato, e tenho uma coleção deles. Gosto de coisas simples, como cozinhar, varrer o quintal, cuidar de tudo. É o que eu gosto de fazer.





Quando estou longe da minha rotina, é claro que é bom! De vez em quando, todo mundo precisa relaxar, espairecer e fazer coisas diferentes; mas quando estou longe e fecho os olhos à noite, antes de dormir, e me lembro de que minha casa estará lá esperando por mim quando eu voltar, tenho um sentimento de tranquilidade... sinto saudades da minha rotina.




Imagino meus discos, CDs, livros e revistas; penso nas roupas que deixei, penduradas nos cabides, e também nos passarinhos que não estão sendo alimentados. Penso nos meus cães... por mais que  agente tenha confiança em quem ficou cuidando deles, sempre resta um pouco de preocupação. 




Li um artigo certa vez que dizia que a memória dos cães é diferente da nossa, quanto a passagem de tempo; que podemos passar alguns dias fora, e para eles, quando voltarmos, será como se tivéssemos saído há apenas algumas horas. Bem, isso me deu um certo alívio, mas não resolveu o problema da saudade que eu sinto deles quando estou longe de casa. 




Estou de volta à minha rotina, depois de um curto período de férias, e gente, é bom demais...






As fotos acima são algumas lembranças dos nossos dias de férias.




sábado, 14 de janeiro de 2017

Para Quem Está Voltando Para a Casa dos Pais - e Para os Pais




Casas são diferentes, pois elas são personalizadas pelas pessoas que nelas vivem. Cada um tem o seu jeitinho de resolver as coisas, suas preferências sobre cores, modelos de móveis, arrumação, horários, jeito de cumprir a rotina. Talvez por isso seja tão difícil para alguém voltar a viver com os pais depois que saiu de casa e aprendeu a organizar-se sozinho. É como se a personalidade, que se expandiu para todos os lados, precisasse ter suas arestas e tentáculos encolhidos ou podados para caber em um ambiente que não é mais o seu. Readaptar-se não é nada fácil...

Já tive a experiência de morar em casas de outras pessoas durante alguns períodos da minha vida. Às vezes, quando viajo, também fico na casa de outra pessoa. Não é nada confortável moldar-se a um ambiente que não é o nosso, principalmente para alguém como eu, que amo minha casa e estou muito acostumada a ter as coisas que eu adoro à minha volta o tempo todo. 

Vivemos tempos de crise e desemprego; algumas pessoas estão voltando a morar com os pais - e às vezes, levam na bagagem a nova família. Conflitos surgem entre sogros, sogras, noras, genros e netos. Muitas vezes, entre pais e filhos. Porque assim como não é nada fácil voltar a morar na casa dos pais, também não é fácil para os pais receber os filhos - que cresceram e mudaram - de volta. 

Porém, esta fase pode ser um período de novas descobertas e autoconhecimento também. Quem sabe, uma oportunidade de tornar-se mais flexível, aceitando melhor os defeitos dos outros e reconhecendo os próprios. Conflitos que vêm à tona podem fortalecer relações, quando a gente sabe lidar com eles. 

Para quem estiver passando por isso, é sempre bom lembrar que:

Se você é quem está voltando a morar com os pais - Lembre-se que a casa não é mais sua, e que você terá que reaprender a respeitar limites, como horários de refeições e de chegar em casa; receber amigos sem permissão, nem pensar! Festinhas devem ser combinadas, e caso surja um 'não' como resposta, relaxe e fique na sua. 

Procure colaborar com a limpeza da casa, fazendo a maior parte do trabalho,  e também com as despesas, quando for possível. Se você não tem condições de pagar algumas contas, pode pelo menos tentar economizar luz, gás, material de limpeza, etc.

 Mantenha limpo o que estiver limpo. Se usar, guarde (e não use sem permissão); se abrir, feche; se acender, apague. Respeite os horários de silêncio. Aprenda a dialogar, e mesmo que você perca a argumentação, respeite e jamais parta para a briga! Lembre-se: você é um hóspede. 

Se houver crianças, explique a elas que terão que ser educadas e que deverão respeitar os donos da casa.

Se você está recebendo alguém de volta em casa - Tenha paciência; afinal, não é nada fácil para ele também. Faça com que ele se sinta bem-vindo, mas lembre-o de que as regras da casa - que é sua - são estabelecidas por você. Porém, ceder de vez em quando é sinal de carinho e respeito. Estabelecer regras é bem diferente de dar ordens.

Não se torne um mandão! Não faça com que seu hóspede se sinta humilhado ou não se sinta querido. Procure administrar conflitos através de diálogos, e não de xingamentos. Lembre-se de que você poderia estar no lugar do seu hóspede, e que talvez um dia, esteja. 

Ajude discretamente, sem alardear o que está fazendo. Ajudar é algo que deve ser feito com humildade. 

Conviver é uma arte difícil, mas se somos colocados juntos, deve ser por algum motivo. Eu creio nisso.





quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Estrogonofe da Ana







Tem gente que acha um verdadeiro absurdo, mas eu ponho umas coisitas no meu estrogonofe que as pessoas geralmente não põe. Se fica bom? É claro que fica! Pelo menos, eu acho. E as pessoas gentis e educadas que comem, também. 

Para começar, no meu estrogonofe a carne nem é tão importante assim, e ela é picada em pedacinhos minúsculos e utilizada em pouca quantidade. Mas eu sempre coloco bastante champignon. E uma lata de ervilhas. E azeitonas verdes picadas. 

Primeiro, eu deixo a carne dourar com os temperos - uso apenas alho e azeite, pois não gosto muito de cebola e tenho problemas para digerí-la. Depois, coloco mais ou menos um copo de vinho, que pode ser tinto ou branco, e sal à gosto (sempre uso bem pouco sal na minha comida) e deixo refogar; após mais ou menos dez minutos, acrescento um pouco de molho de tomate, as ervilhas e a azeitona verde picada. Deixo refogar mais cinco minutos, e se necessário, acrescento um pouco d'água - pouquinho, para que o molho fique cremoso, e não aguado. Depois, desligo o fogo, coloco o creme de leite e um pouco de ketchup. O ketchup dá um gostinho especial, agridoce. 

Sirvo com arroz branco e batata palha - ou batata sotè. 

Experimentem, e me digam se ficou bom.